Onde os justos estarão no período do milênio, na terra ou no céu? Que dizem alguns comentaristas e o que ensina a Bíblia Sagrada?

Clique aqui e baixe o E-book da apresentação em pdf

  1. Introdução

Embora as Escrituras Sagradas descrevam com clareza o período, onde e como devem estar os justos, bem como os ímpios nessa época, há muita controvérsia a respeito deste tema.

Diante de cada pessoa, embora aparentemente existam muitos caminhos no que diz respeito à eternidade, os mesmos se resumem a só dois, conforme Jesus Cristo: Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha. Lucas 11:23; Mateus 12:30.

Jesus Cristo sempre falou acerca de dois e somente dois caminhos, dois destinos. “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; Mateus 7:13

Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.

Mateus 12:30

E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.

Mateus 25:33

Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.
E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus. Mateus 24:30,31

Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus. Mateus 5:20

Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus; Mateus 8:11

Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus. Mateus 5:19

Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus; Mateus 8:11

  1. Pátria celestial

Nas Escrituras o destino dos salvos justificados por Cristo é descrito como sendo a Pátria celestial. Hebreus 11:13-16.

“Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra.

Porque, os que isto dizem, claramente mostram que buscam uma pátria.

E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar.

Mas agora desejam uma melhor, isto é, a celestial. Por isso também Deus não se envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade”.

Observa-se claramente que o povo de Deus é “estrangeiro e peregrino na terra” e que, assim sendo, “busca uma pátria” superior, uma pátria de paz e de alegria, jamais condizente – como alguns tentam explicar sem base bíblica – com um mundo ainda contendo nações ímpias regidas pelo Messias, Jesus Cristo, com vara de ferro, eternidade afora. Cremos que isso ele o fará ao voltar e destruí-las (Apocalipse 19:15).

Antes de ascender aos céus, Jesus assegurou aos seus discípulos:

“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.

Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.

E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”. João 14:1-3.

Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, para onde vais? Jesus lhe respondeu: Para onde eu vou não podes agora seguir-me, mas depois me seguirás. João 13:36

Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que vejam a minha glória que me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo. João 17:24

E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir. Atos 1:8-11.

Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas. Filipenses 3:20,21

Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. 1 Tessalonicenses 4:16,17.

Por que só voamos se for com algum equipamento (asa delta,…avião, etc.) e na gloriosa segunda vinda de Cristo poderemos ascender aos céus sem a necessidade de equipamentos?

Resposta: “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.
Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade. E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória”. 1 Coríntios 15:51-54.

  1. Enoque, trasladado aos céus

As gerações se sucederam após o primeiro casal após a Criação do Mundo, Adão e Eva. Os relatos da vida de cada patriarca eram assim descritos:

“E viveu Jerede cento e sessenta e dois anos, e gerou a Enoque. E viveu Jerede, depois que gerou a Enoque, oitocentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Jerede novecentos e sessenta e dois anos, e morreu. E viveu Enoque sessenta e cinco anos, e gerou a Matusalém. E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto DEUS PARA SI O TOMOU. E viveu Matusalém cento e oitenta e sete anos, e gerou a Lameque. E viveu Matusalém, depois que gerou a Lameque, setecentos e oitenta e dois anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Matusalém novecentos e sessenta e nove anos, e morreu”. Gênesis 5:18-27

Nota-se claramente uma diferença marcante entre os relatos da vida de cada patriarca e o de Enoque. Todos, antes e após Enoque, terminam com “e morreu”, enquanto que no caso de Enoque, com “Deus para si o tomou”.

O Novo testamento afirma “Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus. Hebreus 11:5

Dos relatos acima depreende-se que Enoque está vivo, habitando os céus, para onde Deus o trasladara, não tendo experimentado a morte.

  1. Elias, símbolo dos justos que estarão vivos por ocasião da volta de Cristo

Outro ser entre os descritos na Palavra de Deus que não experimentou a morte, pois fora levado vivo ao céu foi Elias.

Sucedeu que, quando o SENHOR estava para elevar a Elias num redemoinho ao céu, Elias partiu de Gilgal com Eliseu. 2 Reis 2:1

 

“E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho. O que vendo Eliseu, clamou: Meu pai, meu pai, carros de Israel, e seus cavaleiros! E nunca mais o viu; e, pegando as suas vestes, rasgou-as em duas partes. Também levantou a capa de Elias, que dele caíra; e, voltando-se, parou à margem do Jordão. E tomou a capa de Elias, que dele caíra, e feriu as águas, e disse: Onde está o Senhor Deus de Elias? Quando feriu as águas elas se dividiram de um ao outro lado; e Eliseu passou. 2 Reis 2:1, 11-14

  1. Símbolo dos justos mortos que ressuscitarão por ocasião da volta de Cristo

Moisés, embora tenha experimentado a morte, pelo que as Escrituras registram, está vivo no céu, para onde o Senhor o levara, após ter sido ressuscitado. Aos cento e vinte anos de idade, prestes a entrar em Canaã, seu grande sonho de ali entrar com o povo de Deus, “E disse-lhe o Senhor: Esta é a terra que jurei a Abraão, Isaque, e Jacó, dizendo: À tua descendência a darei; eu te faço vê-la com os teus olhos, porém lá não passarás. Assim morreu ali Moisés, servo do Senhor, na terra de Moabe, conforme a palavra do Senhor. E o sepultou num vale, na terra de Moabe, em frente de Bete-Peor; e ninguém soube até hoje o lugar da sua sepultura. Era Moisés da idade de cento e vinte anos quando morreu; os seus olhos nunca se escureceram, nem perdeu o seu vigor. E os filhos de Israel pranteara a Moisés trinta dias, nas campinas de Moabe; e os  dias do pranto no luto de Moisés se cumpriram”. Deuteronômio 34:4-8

Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda. Judas 1:9

Esse texto tem fornecido subsídios para se crer que após a morte de Moisés e seu sepultamento sobre o monte Nebo, o arcanjo Miguel contendia com o diabo pelo corpo de Moisés, repreendeu a Satanás em nome do Senhor, após o que o teria ressuscitado, dando-lhe um destino de excelência no céu, algo muito superior do que apenas entrar em Canaã.

Deus sempre tem algo maior e muito melhor para seus filhos que lhe são fiéis, dando-lhes destinos muito mais gratificantes e excelentes, e a vida eterna junto a Ele.

  1. A transfiguração de Jesus

Quando Jesus aqui esteve, num certo dia, tomou a Pedro, Tiago e João, “E as suas vestes tornaram- se resplandecentes, extremamente brancas como a neve, tais como nenhum lavadeiro sobre a terra as poderia branquear.

E apareceu-lhes Elias, com Moisés, e falavam com Jesus”. Marcos 9:3,4, 5; Mateus 17:3, 4; Lucas 9:30 e 33.

O aparecimento de Elias e Moisés ao lado Cristo quando este se transfigurou é evidência de que ambos estão vivos nos céus – ou em alguma galáxia – para onde Deus os levou; Elias, sem ter passado pela morte e, Moisés, após sua morte, sepultamento, ressurreição e glorificação.

 

  1. A segunda vinda de Cristo e a morte de todos os ímpios, ressurreição dos justos mortos e transformação dos justos vivos

 

O capítulo 19 de Apocalipse, nos versos de 11 a 21,  descreve de modo majestoso o retorno glorioso de Jesus na sua segunda vinda, seguida da morte de TODOS os ímpios.

“E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo.
E estava vestido de veste tingida em sangue; e o nome pelo qual se chama é A Palavra de Deus”. (Observe que aqui Jesus é descrito como o verbo de Deus, a Palavra de Deus e, jamais, como sendo o verbo que era Deus, como traduziram o evangelho escrito pelo mesmo João, capítulo 1, verso 1).

“E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro.
E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as NAÇÕES; e ele as regerá com vara de ferro”; (Como fará isso?) “e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso.
E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores.
E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus;
Para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam; e a carne de TODOS os homens, livres e servos, pequenos e grandes. E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército.
E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre. E OS DEMAIS foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes”.
Apocalipse 19:11-21.

Este relato mostra com clareza, que TODOS os ímpios morrerão por ocasião da 2ª vinda de Cristo, não ficando um só ser humano vivo aqui. Os salvos mortos foram ressuscitados, os salvos vivos, transformados num abrir e fechar de olhos e arrebatados para o encontro com Cristo nos ares, para, assim, estarem para sempre com o Senhor.

No contexto do 6º. Selo, João viu os mesmos de que trata em Apocalipse 19:

“os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; E diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; Porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?

E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.
E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos
, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Apocalipse 13:15-17

No contexto da 5ª trombeta, João também escreveu sobre os ímpios que serão mortos na 2ª vinda de Cristo:

“E foi-lhes dito que não fizessem dano à erva da terra, nem a verdura alguma, nem a árvore alguma, mas somente aos homens que não têm nas suas testas o selo de Deus. E foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem; e o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem. E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles. Apocalipse 9:4-6

Os ímpios mortos continuam mortos na volta de Cristo. Os ímpios mortos, TODOS morrem, como está descrito em Apocalipse 19:11-21.

O profeta Malaquias, descreveu o que ocorrerá após o milênio:

“Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o SENHOR dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo.

Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas; e saireis e saltareis como bezerros da estrebaria.

E pisareis os ímpios, porque se farão cinza debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que estou preparando, diz o Senhor dos Exércitos”. Malaquias 4:1-3

Sinceramente, há como imaginar a cena mal pintada por alguns comentaristas que leram as Escrituras apressadamente, de existir durante e após o milênio nações de ímpios, de não salvos, vivos, sendo regidos por Cristo, o Messias, com vara de ferro eternidade afora?

  1. A prisão de Satanás no início do Milênio

O capítulo 20 de Apocalipse inicia (verso 1 em diante) mostrando que EM VIRTUDE DA MORTE DE TODOS OS ÍMPIOS (descrita em Apoc. 19:11 a 21) SATANÁS ESTARÁ PRESO e, assim, estará “preso”, pela circunstância de ele não ter mais nações constituídas de pessoas vivas a quem possa tentar: “E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão.
Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos.
E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo”.

Em Gênesis 1:2 na Septuaginta (a mais antiga tradução em grego do texto hebreu do Antigo Testamento, feita para uso da comunidade de judeus do Egito no final do século III a.C. e no II a.C.), a palavra abismo, abússus, do grego, tradução de theom, do hebraico, profundidade, superfície da terra como a aparência do primeiro dia da criação, desordenada e vazia, ‘desordenada e vazia’.

  1. Justos nos céus e o juízo judicativo

O vidente de Patmos, João, prossegue descrevendo o que ocorrerá durante os mil anos:

“E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos”.

A cena descrita em Apocalipse 20:4 deve referir-se ao céu, local onde estão os livros cujos registros estarão à disposição dos salvos para a segunda fase do juízo, o juízo judicativo (juízo de verificação, averiguação, a fim de que o caráter de Deus fique vindicado e que não se tenha qualquer dúvida de que cada caso julgado foi com toda a lisura e justiça plena). Há um destaque no relato de João para os que “foram degolados pelo testemunho de Jesus e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos”, subentendendo-se tratar-se de salvos do tempo do fim, no qual se dará a manifestação da besta e de sua imagem.

O relato de João prossegue:

“Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram”. Apocalipse 20:5. Esta é uma clara alusão aos ímpios mortos, os que estavam mortos antes da volta de Cristo e aqueles que morreram após a volta de Cristo, como descrito em Apocalipse 19:15: “E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as NAÇÕES; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso”. (destaques acrescentados). Note: ferir as nações, as regerás com vara de ferro e, logo, pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso. Lagar tem a ver com o local com aparelhos adequados para espremer certos frutos (uva, azeitona), reduzindo-os a líquido. Em Isaías 63:3 amplia o entendimento: “Eu sozinho pisei no lagar, e dos povos ninguém houve comigo; e os pisei na minha ira, e os esmaguei no meu furor; e o seu sangue salpicou as minhas vestes, e manchei toda a minha vestidura”.

O lagar tem a ver com o sangue vertido dos ímpios que insistiram em rejeitar a justiça e o sacrifício de Cristo, sendo mortos em sua 2ª. Vinda.

Apoc. 20:5, última parte: “Esta é a primeira ressurreição”. Essa é uma explicação de que os ímpios não fazem parte dessa ressurreição, a 1ª., quando Jesus volta, tomando parte dela apenas os justos, os que foram lavados pelo sangue de Cristo, o que é confirmado e ampliado no verso 6, seguinte.

Apoc. 20:6: “Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos”. Esse reinado deverá ser no céu, pois a terra após a volta de Cristo estará caótica e vazia. Jeremias 4:20-27.

  1. Final do Milênio, 2ª ressurreição e Satanás solto da prisão

Apoc. 20:7: “E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão”.

No início do Milênio, Satanás é preso por não ter mais a quem tentar. No final do Milênio, Satanás é solto. Como assim? Haveria ocorrido algo então?

Lemos em Apoc. 20:5: “Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram”. Subentende-se o cumprimento da palavra de Deus de que findados os mil anos eles serão ressurgidos, cumprindo-se também as palavras de Cristo em João 5:28 e 29, ainda que o cumprimento se dê com um lapso de mil anos entre uma e outra ressurreição: “Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz.

E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação”. Enfim, chega a hora da ressurreição dos ímpios. Todos são vivificados em Cristo. Uns para a salvação e outros para a condenação e a vergonha eterna. “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo”. 1 Coríntios 15:22.

  1. Satanás engana as nações e as convoca para sitiar e destruir os santos na Nova Jerusalém

Apoc. 20:8: “E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha”. Uma clara alusão aos antigos inimigos de Israel que ficavam ao norte, Gogue e Magogue. Ezequiel 38:3.

As nações que estavam destruídas e todos os ímpios mortos na volta de Cristo, sua 2ª vinda à terra, agora reaparecem, após a 2ª ressurreição no final do Milênio, as quais, agora são enganadas por Satanás.

Apoc. 21:2 descreve: “E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido”. Esta nova Jerusalém desce dos céus,  Cristo foi preparar lugar para seu povo (João 14:1-3) agora desce à terra com os santos.

Talvez por limitação do espaço para se descrever cada detalhe em sua sequência exata, a descida da cidade santa, a nova Jerusalém, está implícita no capítulo 20 de Apocalipse, entre os versos 8 e 9. Nas Escrituras Sagradas esse formato de escrita é visto desde o livro do Gênesis, onde a criação da mulher é mostrada detalhadamente só no capítulo 2, e não no capítulo 1. No livro do profeta Daniel, os capítulos não estão mostrados em ordem cronológica, senão como mostrado a seguir: 1 Daniel capitulo 1, 2 Daniel capitulo 2, 3 Daniel Capitulo 3, 4 Daniel Capitulo 4, 5 Daniel Capitulo 7, 6 Daniel Capitulo 8, 7 Daniel Capitulo 5, 8 Daniel Capitulo 10, 9 Daniel Capitulo 9, 10 Daniel Capitulo 6, 11 Daniel Capitulo 11, 12 Daniel Capitulo 12. Percebe que a ordem cronológica dos fatos não segue a mesma dos capítulos?

  1. Juízo final perante o Trono Branco e a Destruição final dos ímpios e de Satanás, a Morte e o Inferno

Apoc. 20: 9: “E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou”. Agora os ímpios ressuscitados na 2ª ressurreição, sob a liderança do pai da mentira, Satanás, marcham sobre a superfície da terra para destruir os santos, mas o verdadeiro inferno acontece agora, desce fogo dos céus e os consome.

Quando o Diabo e todas as nações ímpias se arregimentam para cercar o arraial dos santos e a cidade amada, ocorre o juízo final perante Deus assentado num grande trono branco, puro, limpo de qualquer impureza ou pecado e cada um se defronta com o juiz de toda a terra.

Apoc. 20:11: “E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”. Apocalipse 20:5-15.

Esse texto aplica-se aos perdidos, diante do trono branco, ainda que os salvos, de dentro do arraial dos santos, a Nova Jerusalém, também possam avistar o trono branco e toda a cena impressionante, nunca vista antes, mais de longe. Os ímpios são chamados de mortos, assim como também Jesus chamou em Lucas 9:60. Afirma-se “não se achou lugar para eles”. Estão perdidos. Triste condição.

O texto também faz referência “a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte”.

“Uma personificação da morte e do inferno. Este lançamento de ambos no lago de fogo, representa o fim da morte e do sepulcro ou morada dos mortos. No terão jamais parte alguma na Nova Terra, pois são fenômenos mortais que só pertencem a este mundo. A primeira 1a morte é o inimigo final que será destruído (1 Cor. 15:26, 53-55)”. SDABC. https://comentario-biblico-adventista.webnode.es/products/apocalipsis/

“E as nações dos salvos andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra.

E as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá noite.

E a ela trarão a glória e honra das nações.

E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro. Apocalipse 21:24-27

Alguns tem interpretado a expressão Nações nos versos 24 e 26 como se tratando de povos não salvos que habitariam a terra durante e após o milênio, os quais nem estariam entre os salvos nem entre os ímpios, após o milênio mortos definitiva e eternamente, o que seria um absurdo à luz de todas as Escrituras Sagradas, quando o próprio verso 27 do capítulo 21 do Apocalipse desfaria essa conjectura.

As nações referem-se aos redimidos pelo sangue do Cordeiro “de todas as nações e tribos e povos e línguas”.

Reis, é uma figura proveniente do Antigo Testamento (Isa. 60: 11).

Logo o decreto final, que determina o fechamento da porta da graça será proferido e a sorte de cada habitante do planeta estará selada:

“Quem é injusto, seja injusto ainda; e quem é sujo, seja sujo ainda; e quem é justo, seja justificado ainda; e quem é santo, seja santificado ainda. Apocalipse 22:11

Portanto, preparemo-nos, sendo lavados pelo sangue do Cordeiro, cheios do espírito de Deus, o que nos capacitará a viver em obediência aos Seus santos mandamentos, para enfrentarmos o drama final que está prestes a acontecer e estarmos de pé, aprovados para vivermos e reinarmos com Cristo por mil anos nos céus, ali sermos reis e sacerdotes de Deus e de Jesus e, após os mil anos voltarmos na Nova Jerusalém a esta Terra que será purificada pelo fogo que destruirá os ímpios e, assim, estarmos com todos os salvos, com Deus e o Cordeiro eternidade afora.

  1. Novos Céus e Nova Terra nos quais habita a Justiça

“E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.

E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus.

E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.

E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis”. Apocalipse 21:1-5.

“Ora vem Senhor Jesus”. Apocalipse 22:20.

Paulo Augusto da Costa Pinto

Servo do Deus Altíssimo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Traduzir Site »