Essa Crise Mundial foi Planejada? – Dr. Walter Veith

Muitas informações importantes sobre o vírus e suas consequências no Cenário Final.

Entretanto, não é bíblica a afirmação do professor Veith de que Jesus seja Deus igual ao Pai, quando interpreta erroneamente João 10:30, quando Jesus afirmou: “Eu e o Pai somos um”.

Na realidade ele afirmou ser um com o Pai em natureza, caráter e propósitos.

Foi Jesus quem disse que seu Pai é o Único Deus verdadeiro e Seu Deus (antes da cruz: João 17:3; na cruz: Mat. 27:46; Após a ressurreição: João 20:17; A fé dos apóstolos na primitiva igreja: Efesios 1:17; Jesus glorificado: Apocalipse 3:12: “A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome”. Apocalipse 3:12)

Na realidade, o mundo religioso está unido na formação da Religião da nova era, a Religião do Anticristo que está a manifestar-se e todas as religiões estão nas mãos do papa – Unidos pelo dogma da trindade com o nome de doutrina cristã – ainda que pareça que não.

Coronavírus – as mortes invisíveis ou um chamado à sanidade da classe médica

CORONAVÍRUS – AS MORTES INVISÍVEIS ou UM CHAMADO À SANIDADE DA CLASSE MÉDICA

De autor desconhecido

“O combate à pandemia matará mais do que o coronavírus. A diferença é que serão mortes invisíveis.
Os números ainda não estão consolidados, mas essa é uma tese cada vez mais plausível.
Antes de entrar no assunto da pandemia, me permitam fazer duas comparações que tornarão o entendimento do restante do artigo mais simples.

A CURA DO CÂNCER
Ao contrário do que as pessoas imaginam, não é muito difícil eliminar um câncer. Qualquer câncer. Para destruir todas as células do organismo, basta utilizar doses gigantescas de quimioterapia ou, caso isso não funcione, radioterapia também em altíssimas doses. Essa estratégia só não foi adotada ainda por conta de um pequeno empecilho: além da erradicação do câncer, ela resulta na morte do paciente.
Toda a estratégia de combate ao câncer deve, portanto, buscar um equilíbrio: deve ser agressiva o suficiente para eliminar o tumor, mas não ao ponto de matar o paciente.
Na teoria é fácil; na prática, nem tanto.
Nunca é possível prever com certeza qual será o comportamento de um câncer em um paciente específico. O médico precisa se embasar em estatísticas existente e na avaliação individual.
Em casos de cânceres mais agressivos, se tolera um risco maior. No caso de

LEIA MAIS
Traduzir Site »