O REINO DE DEUS FOI ADIADO?

jerusalémjerusalém celeste

“Tem sido demonstrado que o Reino de Deus está completamente ausente da cena – de Adão até Cristo – e que o Reino do Céu existiu desde a pessoa de Adão até a descendência pessoal de Abraão; depois ele passou para uma nação (Israel), quando a coroa foi arrebatada sob a liderança de Conias (Jeremias 22), para não mais aparecer.
Quando João Batista andou pelo deserto, espalhando sujeira e poeira de suas sandálias, já não havia o Reino do Céu (literal), na Terra, nem ainda o Reino de Deus (espiritual). Tudo que existia era um bando de pervertidos líderes religiosos, imersos na mitologia babilônica, vestindo longas vestes, gozando o título de “Pais”, levando Israel a crer que o único Reino que iria vir (se ele viesse) seria o literal, visível, messiânico e davídico Reino Judaico do Céu! Nem sequer um entre dez destes sacerdotes e fariseus, amantes da tradição, vestidos de longas vestes, dizimistas, jejuadores, e parceiros de cama se lembrou (ou tentou se lembrar) de que descendiam todos de Adão, bem como do “Pai Abraão”. Adão foi um homem espiritualmente morto, que havia perdido a imagem de Deus, produzindo, portanto, uma raça de rejeitadores da Bíblia, de odiadores da verdade, de assassinos religiosos” (Ver Efésios 2:1; Mateus 23:9-36; João 9). (Dr. Peter Ruckman).
O judeu tinha todo o direito de esperar que o Reino de Davi fosse restaurado (Ele tinha mais de 1.500 versos no Velho Testamento com esta promessa); porém, ele esqueceu a pregação dos profetas, a qual trata da retidão moral, que acompanha o reino (Ver Zacarias 6:13; 8:16-17; Malaquias 3:5; Ageu 1:6-9). Por isso, a primeira coisa que Jesus fez, na abertura oficial do Seu ministério, foi se sentar (Mateus 5-7) para enfatizar os princípios de retidão moral que devem ser adotados pelos judeus, antes que seja estabelecido um “Reino, tanto na Terra como no céu”.

I – QUALIFICAÇÕES DE CRISTO PARA GOVERNAR (Isaías 9:6-7).

A – Sua Imagem – O Rei que Se apresenta é o “Leão da Tribo de Judá” (Gênesis 49). Ele tem todas as qualificações para ocupar o trono de Davi. Nasceu na cidade de Davi; Sua mãe é descendente de Davi; Seu pai adotivo é da linhagem de Jeconias. Contudo, Ele nasceu de uma virgem e, por isso, não foi incluído na descendência de Jeconias (filho de Jeoiaquim e neto do Rei Josias – 1 Crônicas 3:16).

B – Sua Vitória Sobre Satanás – Satanás não tem poder apenas sobre os reinos do mundo, por causa do reino de Israel (Jeremias 22), mas tem também o poder sobre a morte (Hebreus 2:14), por causa de sua vitória sobre Adão. Quando ele tentou Cristo, no Monte da Tentação, viu que estava enfrentando um inimigo invencível. … Quando este Homem morre, Sua morte precisa ser uma doação voluntária de Sua vida (João 10:18). Ele é diferente de Abraão, de Davi, de Uzias ou de Jeoiaquim.
Quando era um Querubim ungido sobre o trono (Ezequiel 28:9-16), Lúcifer desejou adoração. Sua esfera é proeminentemente religiosa; ele não é ateu. Sendo um “deus deste século” (2 Coríntios 4:4), ele quer ser adorado, até mesmo pelo Filho de Deus: “E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares”. (Mateus 4:9). Jesus não deseja outra coisa, além de fazer a vontade do Pai (João 4:34; 5:19,30; 6:38; Hebreus 10:5-8).
Quando a tentação acabou, Jesus desceu do Monte com duas coroas intactas, brilhando – a do Reino de Deus e a do Reino do Céu. Como Rei sobre o Reino do Céu, Ele terá o encargo de dirigir Israel para o cumprimento perfeito da comissão original concedida a Adão, de frutificar e encher a Terra. Como Rei sobre o Reino de Deus, Ele poderá restaurar a imagem perdida por Adão, a fim de que haja uma raça que possa cumprir as exigências divinas, para a entrada no vasto reino universal e celestial, destinado a preencher todo o espaço exterior.

C- Sua Obra – As obras de Jesus não apenas incluíram uma variedade de milagres jamais antes operados, os quais deveriam convencer os judeus (1 Coríntios 1:22), como o Seu ensino seguiu exatamente a linha dos profetas que vieram antes Dele. Em vez de reunir tropas, de armar milícias e de invocar fogo contra Roma; em vez de dividir o Jordão, a fim de que todos os Seus discípulos pudessem fugir para o deserto, enquanto 12 legiões de anjos desceriam do Sinai para ajudá-Lo (Judas 5; Deuteronômio 33:2; Habacuque 3; Salmo 68), o popular Messias Se vestiu com as roupas comuns do Seu tempo, criticando os “filhos do Concerto” e a baixa validade dos concílios religiosos (Mateus 23; João 9 e Marcos 13:9).

II – O DESEJO DE ISRAEL DE ACEITAR O REI

De Mateus 5 até Mateus 13, muitas admoestações são encontradas nos discursos de Jesus, todas elas tendo caído em ouvidos moucos. Aqui e ali, uma ou duas pessoas (num total de umas 600 em Seus três anos de ministério) creram Nele e receberam Sua missão e mensagem, crendo Nele como o Messias. Para os demais e para os líderes judeus, as verdades de Sua primeira vinda foram ignoradas. Todos esperavam que aparecesse um rei usando uma Coroa.

III – A FORMA DO MISTÉRIO DO REINO

Em Mateus 13, Jesus admoesta Sua audiência de que o Reino do Céu assumirá uma forma de “mistério”. A seguir, vem uma série de ensinos sobre relacionamentos morais, visto como estes afetarão o literal e visível reino terreno. Observem que, nestas sete parábolas, a consideração principal não é sobre a linhagem política do poder que foi entregue a um rei terreno sobre o reino de Davi; mas, em seu lugar, sobre as responsabilidades e exigências morais das pessoas que acham que vão entrar no Reino. (Mateus 13:15, 19, 22, 37-41, 49; 18:23, 28, 30, 33, 34; 20:13, 15; 22:6-8, 13; 25:12, 23, 26, 30, 40, 41, 46).
Este ensino mistério veio por causa da rejeição oficial a Cristo (Mateus 12); e logo que Jesus saiu de casa (Mateus 13:1). Guardem em mente que Jesus nunca foi censurado por não esperar o Reino (Ver Atos 1). Àqueles que O crucificaram, até foi dada a chance de aceitarem um reino diferente, após terem-No crucificado, em vez do tempo indefinido que iria preceder a vinda do Reino do Céu, pelo qual eles estiveram esperando (Atos 3:19-26; 3:17; Lucas 23:24; 1 Coríntios 2:7-8).
“Vejamos: os líderes de Israel cometeram, em 35 d.C., um erro tão grande como o erro dos seus sucessores – os católicos romanos, em 335 d.C. e em 1963. Esse erro foi pensar que todos precisavam de um líder ‘como todas as nações que os rodeavam’. Este foi o mesmo erro cometido 1.000 anos antes, conforme Samuel 8:5, 20. O mesmo erro que a Alemanha cometeu em 1930-1945; o mesmo erro que todo indivíduo e nação comete, quando pensa que algum reino na Terra pode ser trazido sem a restauração da imagem original de Deus. Esta imagem é a do próprio Filho de Deus (2 Coríntios 4:4) e a única maneira do homem receber esta imagem na Terra é quando ele ‘nasce de novo” pelo Espírito Santo (João 1:11-12). Cristo não pode produzir Sua imagem em pessoa alguma, sem que ela morra primeiro (João 12:24); pois, como pode um Espírito Santo, sem pecado, entrar num homem decaído e pecador, mesmo no modo de falar, até que, pelo menos, um Homem tivesse vivido vida santa e sem pecado? (Romanos 3:24-26). Esse Homem sem pecado é apresentado em Mateus 13. A vida está ali. O Rei está ali. Ambos os Reinos se encontram à mão e, exatamente quando parece que as coisas estão se encaminhando para um final feliz, Jesus adverte que um Reino do Céu físico, literal e visível vai entrar num estágio indiscernível para os judeus e, até que tal aconteça (Lucas 19:11), os judeus terão apenas o Reino de Deus, com o qual poderão tratar (Lucas 17:20).
Existem duas respostas para esta admoestação: a nação de Israel tropeça nas parábolas, achando que nenhum Reino santo e moral precisa acompanhar o esperado Reino do Céu; e que ele está se espalhando sem a restauração e a preeminência da nação à qual ele foi dado! Mateus 13 é o local para todos os rejeitadores da Bíblia – judeus e gentios – desenvolverem uma psicose teológica, como todos fazem” (Dr. Peter Ruckman).

O Reino de Deus não é a Igreja organizada (como afirmam os pastores). É a “Igreja organismo”. Ele está dentro de cada crente bíblico, que vive honestamente, segundo o evangelho de Paulo, pois, para a liberdade Cristo nos libertou, não para a prática do mal, mas para fazer tudo que desejamos, quando agimos de maneira sutil e generosa, movidos pelo Espírito de Deus. Isso conseguimos quando nos mantemos dentro do ensinos da Palavra Santa, amando ao próximo e agindo sempre com honestidade em todos os nosso atos.

Mary Schultze, 23/11/2008 –www.cpr.org.br/mary.htm
Trecho do livro “Mistery of the Ages”, do Dr. James Modlish.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Traduzir Site »