Header
Header
Header
Header
Header

JESUS, O CRISTO, E A POLÍTICA

julho 12th, 2012 | Posted by Paulo Pinto in Artigos

Olá,
“E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Palavras do Filho único do Deus único e verdadeiro, o Pai, e nosso Salvador, Jesus Cristo, no evangelho de João 8:32. Essas palavras são para você e para mim, acredite.
Lemos em Mateus 27:11 a 14: “E foi Jesus apresentado ao governador, e o governador o interrogou, dizendo: És tu o Rei dos Judeus? E disse-lhe Jesus: Tu o dizes. E, sendo acusado pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu. Disse-lhe então Pilatos: Não ouves quanto testificam contra ti? E nem uma palavra lhe respondeu, de sorte que o governador estava muito maravilhado”. Cristo sempre foi exemplar como representante do Pai, o único Deus verdadeiro, conforme afirmou em João 17:3, sempre fazendo uma distinção clara entre a fé pura e genuína e a política. Em Marcos 12:17, lemos: “E Jesus, respondendo, disse-lhes: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. E maravilharam-se dele”.
Nos dias de Cristo a política também era muito corrompida e nojenta e a igreja judaica, tida como a única verdadeira e com capa de santidade, era também tão corrupta quanto o governo. Lemos em Mat. 27:12 que Cristo foi acusado pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos. Impressionante isso, não acha? E hoje, o que vemos e ouvimos?
Estamos a poucos dias das eleições do Brasil.
Ouve-se falar dos fichas sujas e de muita corrupção dos políticos desta nação, de modo que cada pessoa, de um modo especial aquele e aquela que tem algum relacionamento espiritual com Cristo, deve refletir profundamente antes de dar o seu voto a um ou a uma candidata.
Votar é coisa muito séria, significando fazer-se representar por esse ou essa candidata nas instâncias superiores desse País.
No Brasil ainda é obrigatório votar, mas, todo cuidado e critério devem ser usados, e cada um deve sentir-se livre para votar neste ou naquele candidato ou anular o seu voto. Cada um é livre, não devendo ser constrangido a isso ou aquilo em qualquer igreja ou ambiente de trabalho.
Observe o que Ruy Barbosa escreveu há 88 anos (em 1914):
“A falta de justiça, Srs. Senadores, é o grande mal da nossa terra, o mal dos males, a origem de todas as nossas infelicidades, a fonte de todo nosso descrédito, é a miséria suprema desta pobre nação.
A injustiça, Senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vêm nascendo a semente da podridão, habitua os homens a não acreditar senão na estrela, na fortuna, no acaso, na loteria da sorte, promove a desonestidade, promove a venalidade, promove a relaxação, insufla a cortesania, a baixeza, sob todas as suas formas.
De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.
Essa foi a obra da República nos últimos anos. No outro regime (na Monarquia), o homem que tinha certa nódoa em sua vida era um homem perdido para todo o sempre, as carreiras políticas lhe estavam fechadas. Havia uma sentinela vigilante, de cuja severidade todos se temiam e que, acesa no alto (o Imperador, graças principalmente a deter o Poder Moderador), guardava a redondeza, como um farol que não se apaga, em proveito da honra, da justiça e da moralidade”. (http://www.zeletron.com.br/2010/09/triunfo-da-injustica.html)
Que o povo de Deus mantenha-se longe da política que está aí, embora, como cidadão, cada um exerça seu direito/dever de votar.
Que as memoráveis palavras de Cristo em Marcos 12:17 “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” continuem vivas em nossos ouvidos e mentes e que nossas comunidades de crentes continuem longe da política e sem vínculos institucionais com o Estado, embora, como cidadãos da terra e do Universo devamos cumprir todos os nossos deveres, enquanto esses não se choquem com os eternos preceitos de Deus e de Seu Filho.
Maranata
Paulo Augusto da Costa Pinto

Texto apresentado pela primeira vez ao vivo em 01.10.10 em um dos nossos PROGRAMAS DIÁRIOS DE 4 MIN. PELA RÁDIO JUAZEIRO, DE 2ª A SÁBADO, 6:50 DA MANHÃ ou pela www.radiojuazeiro.com.br E DOMINGOS no Programa A Voz e A Verdade DAS 14 ÀS 15H ou pela RÁDIO ADVENTISTA BEREANA www.adventistas-bereanos.com.br/radio.php 24 h no ar.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can leave a response, or trackback.

Deixe uma resposta