Header
Header
Header
Header
Header

EXISTEM ALGUNS ERROS NA BÍBLIA?

abril 6th, 2013 | Posted by Paulo Pinto in Artigos

“Deus ditou somente o texto original das Escrituras, não as cópias. Portanto, somente o texto original é isento de erros. A inspiração não garante que cada cópia seja isenta de erros, principalmente as cópias feitas de outras cópias”. NOTA DE HÉLIO 3.
“Portanto, quando chegamos às dificuldades bíblicas, não devemos afirmar que o Autor do Livro esteja errado, mas (1) que o manuscrito tem falhas [NOTA DE HÉLIO 3]; (2) que a tradução está errada ou (3) que não o entendemos”.

Dr. Norman Geisler

A Bíblia não pode errar, pois é a Palavra de Deus. E Deus não pode errar. Isto não significa que não existam dificuldades na Bíblia. Porém estas dificuldades não se devem à perfeita revelação de Deus, mas à nossa imperfeita compreensão. A história dos críticos da Bíblia revela que esta não contém erros, mas sim, os críticos. A maioria dos problemas recai sobre uma das seguintes categorias:
1. -SUPOR QUE O NÃO EXPLICADO É INEXPLICÁVEL – Quando um cientista encontra uma anomalia na natureza, ele não desiste da exploração científica. Em vez disso, o que é não explicado fomenta mais estudo. Antes, os cientistas não conseguiam explicar os meteoros, eclipses, tornados, furacões e terremotos. E até recentemente, eles não conseguiam explicar como uma abelha consegue voar. Todos estes assuntos têm guardado, pacientemente, os seus segredos. Os cientistas não sabem como a vida pode se desenvolver nos ventos quentes e nas profundezas do mar. Mas, nenhum deles se atira de uma torre, gritando: “Um absurdo!”. Do mesmo modo o verdadeiro estudioso da Bíblia aproxima-se dela com a mesma pressuposição de que ela tem respostas para o não explicado.
Certa vez, os críticos propuseram que Moisés não poderia ter escrito os cinco primeiros livros da Bíblia (o Pentateuco), porque a cultura dos tempos de Moisés era de antes da invenção da escrita. Hoje, eles sabem que a escrita já existia milhares de anos antes de Moisés. Os críticos também acreditavam que as referências bíblicas sobre o povo hitita eram totalmente fictícias, pois um povo com aquele nome jamais havia existido. Agora, a biblioteca nacional dos hititas foi descoberta na Turquia. Então, temos motivos para crer que outros fenômenos não explicados contidos na Escritura, terão, também, uma explicação.
2. – PRESSUPOR QUE A BÍBLIA É CULPADA DE ERROS, ANTES QUE ELA COMPROVE SER INOCENTE – Muitos críticos pressupõem que a Bíblia contém erros, até que seja provado o contrário. Contudo, como um cidadão americano, que é acusado por um crime, tem direito à defesa, à Bíblia deveria ser dada pelo menos a mesma credibilidade de que ela é correta, do mesmo modo como esta é dada a outras literaturas que eles afirmam ser não ficção. Esta é a maneira de nos achegarmos todas as comunicações humanas. Se não o fizéssemos, a vida não seria possível. Se supuséssemos que os sinais de tráfego nas estradas não são corretos, provavelmente iríamos morrer, antes de comprovar que eles são corretos. Se admitíssemos que os alimentos são mal rotulados, iríamos desistir de comprar todas as garrafas e os pacotes que se vendem no mercado. Do mesmo modo, a Bíblia, como qualquer outro livro, deveria ser considerada como nos contando, exatamente, o que os autores disseram, experimentaram e ouviram. Contudo, os críticos negativos partem, exatamente, de uma pressuposição de que a Bíblia contém erros.
3. – CONFUNDIR NOSSAS FALÍVEIS INTERPRETAÇÕES COM A INFALÍVEL REVELAÇÃO DE DEUS – Jesus disse que “A Escritura não pode ser anulada”. (João 10:35). Sendo um livro infalível, a Bíblia é, também, irrevogável. Jesus declarou: “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido”. (Mateus 5:18) … “E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei.” (Lucas 16:17). As Escrituras têm também a autoridade final, como a última palavra em todos os discursos. Jesus usou a Bíblia para resistir ao tentador (Mateus 4:4; 7:10); para resolver disputas doutrinárias (Mateus 21:42) e para vindicar a Sua autoridade (Mateus 11:17). Algumas vezes, o ensino da Bíblia se apóia em algum pequeno detalhe histórico (Hebreus 7:13-17); ou sobre uma diferença entre o singular e o plural (Gálatas 3:16). Mas, conquanto a Bíblia seja infalível, as interpretações humanas são falíveis. Conquanto a Palavra de Deus seja perfeita (Salmo 19:7), enquanto existirem seres humanos imperfeitos, haverá errôneas interpretações da Palavra de Deus e falsas visões sobre o seu mundo. Daí por que não deveríamos ter pressa em supor que uma atual suposição predominante na ciência seja a palavra final. Algumas das irrefutáveis leis do passado são hoje consideradas pelos cientistas como erro.
Desse modo, as contradições entre as opiniões popularizadas na Ciência e as interpretações da Bíblia amplamente aceitas podem ser esperadas. Mas, tudo isso falha em comprovar que a Bíblia tenha contradições.
4. – FALHAR EM ESTUDAR O CONTEXTO – O erro mais comum nas interpretações da Bíblia, inclusive de certos críticos eruditos, é ler o texto fora do devido contexto. Como diz o provérbio popular: “Um texto fora do contexto é um pretexto”. Ninguém pode comprovar erro algum na Bíblia, usando este errôneo procedimento. A Bíblia diz: “Não há Deus” (Salmo 14:1). Ora, o contexto é: “Diz o insensato, não há Deus.” Alguém pode afirmar que Jesus nos admoestou a não resistir ao mal (Mateus 5:39). Mas, o contexto anterior, no qual Ele faz esta declaração não deve ser ignorado. Muitos lêem a declaração de Jesus, para darmos a quem nos pedir algo. Mas seria bom entregar uma arma letal a uma criança que no-la pedisse? A falha em determinar a legítima significação da passagem, conforme o contexto, tem sido o motivo principal dos que encontram erros na Bíblia.
5. – FALHA EM INTERPRETAR O QUE É DIFÍCIL PELO QUE É CLARO – Algumas passagens são difíceis de ser entendidas, ou parecem contradizer outras passagens da Escritura. Por exemplo, Tiago parece estar dizendo que a salvação é pelas obras.(Tiago 2:14-26); enquanto Paulo ensina que a salvação é pela graça, conforme Efésios 2:8-9: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie”. Mas o contexto revela que Paulo trata da justiça diante de Deus (somente através da fé), enquanto Tiago está falando sobre a justiça diante dos homens (que vêem somente o que fazemos). Mas, Tiago e Paulo falam ambos do fruto que sempre acontece na vida de quem ama realmente a Deus.
6. – ESQUECER AS CARACTERÍSTICAS HUMANAS DA BÍBLIA- Com exceção de algumas poucas passagens – como os 10 Mandamentos, que foram escritos pelo dedo de Deus (Êxodo 31:18) – a Bíblia não foi verbalmente ditada. Seus autores não eram secretários do Espírito Santo (de Deus). Houve escritores humanos que empregaram os seus próprios estilos literários e suas idiossincrasias. Suas fontes eram tão humanas como o seu material (Josué 10:13; Atos 17:28; 1 Coríntios 15:33; Tito 1:12). A verdade é que cada livro da Bíblia tem um escritor humano – 40 deles – e ela também apresenta diferentes estilos humanos. Seus autores escreveram do ponto de vista do que observaram, como, por exemplo, sobre o nascer e o pôr do sol (Josué 1:15). Eles também revelaram modelos de pensamento humano, inclusive lapsos de memória (1 Coríntios 1:14-16), bem como emoções humanas (Gálatas 1:14). A Bíblia revela específicos interesses humanos. Oséias tem um interesse rural; Lucas, um interesse médico e Tiago, pela natureza humana. Como Cristo, a Bíblia é totalmente humana, mesmo não contendo erro algum. Esquecer a humanidade da Escritura pode fazer com que se impugne a sua integridade, quando se espera um nível de expressão mais elevado do que o normal, em um documento humano. Isto se torna mais óbvio, quando lidamos com os erros apontados pelos seus críticos. [NOTA 1 DE HÉLIO]
7. – SUPOR QUE UM REGISTRO PARCIAL É UM FALSO REGISTRO- Muitas vezes os críticos se apressam em concluir que um registro parcial é falso. Contudo, não é assim. Se o fosse, a maior parte do que tem sido dito seria falso, visto como o tempo e o espaço raramente permitem um registro absolutamente completo. Por exemplo, a famosa confissão de Pedro, nos Evangelhos:
“E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” (Mt 16:16)
“E ele lhes disse: Mas vós, quem dizeis que eu sou? E, respondendo Pedro, lhe disse: Tu és o Cristo.” (Mc 8:29)
“E disse-lhes: E vós, quem dizeis que eu sou? E, respondendo Pedro, disse: O Cristo de Deus.” (Lc 9:20)

Até mesmo os Dez Mandamentos, que foram “escritos pelo dedo de Deus” (Deuteronômio 9:10), são apresentados com variações, nas outras vezes em que são registrados (Êxodo 20:8-11; Deuteronômio 5:12-15). Existem muitas diferenças entre os Livros de Reis e o de Crônicas em sua descrição dos mesmos fatos, porém não existe contradição alguma nos eventos apresentados.

8. – SUPOR QUE AS CITAÇÕES DO VELHO TESTAMENTO NO NOVO TESTAMENTO TÊM QUE SER PALAVRA POR PALAVRA – Os críticos muitas vezes apontam variações entre as escrituras do Novo e do Velho Testamento, como se fossem erros. Eles esquecem que cada citação não precisa ser uma citação palavra- por- palavra. Muitas vezes, são usadas citações indiretas [que dizem exatamente a mesma coisa, mas podendo ter algumas palavras e estruturas um pouco diferentes, ainda que exatamente equivalentes às palavras originais] e outras vezes, citações diretas indiretas [que repetem exatamente a mesma sequência de letras]. Portanto, este é um estilo literariamente aceitável quanto à essência da citação, mesmo que não se usem as mesmas palavras. A mesma significação pode ser expressa sem que se usem as mesmas expressões verbais.

As variações nas citações do Velho Testamento feitas no Novo Testamento são de variadas categorias. Algumas vezes elas acontecem quando há mudança do narrador. Por exemplo, é registrado o Senhor dizendo (Zacarias 12:10 “Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e pranteá-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito.”) . E quando isto é narrado no Novo Testamento, quem fala é João e não Deus. (João 19:37 “E outra vez diz a Escritura: Verão aquele que traspassaram.”).
Outras vezes, alguns escritores citam apenas parte do texto do Velho Testamento. Jesus agiu assim, na citação feita na Sua cidade natal de Nazaré (Lucas 4:18-19), quando citou Isaías 61:1- 2. A verdade é que Ele parou na metade da citação, pois se tivesse avançado, teria perdido o objetivo central do texto, que dizia: “Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos”(verso 21), pois a próxima frase referia-se a Isaías 61:1-2, tratando da Sua segunda vinda.

Algumas vezes o Novo Testamento parafraseia [NOTA 2 DE HÉLIO] ou reduz os textos do Velho Testamento (Mateus 2:6). Outras vezes, ele junta dois textos em um (Mateus 27:9-10). Ocasionalmente, uma verdade geral é mencionada, sem citar o texto específico. Por exemplo, Mateus 2:23 diz que Jesus se mudou para Nazaré, sem citar um determinado profeta, mas apenas o “profeta”. Vários textos tratam da humilhação do Messias. Ser de Nazaré, ser um nazareno, era ter um status muito baixo, em Israel, na época de Jesus.
9. – SUPOR QUE NARRATIVAS DIVERGENTES SEJAM FALSAS – Pelo fato de duas ou mais narrativas do mesmo evento serem diferentes, isto não significa que elas sejam mutuamente exclusivas. Mateus 28:5 diz: “Mas o anjo, respondendo, disse às mulheres: Não tenhais medo; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado”; que havia um anjo no túmulo de Jesus. Mas João afirma que havia dois anjos (João 20:12). Ora, não se trata aqui de registros contraditórios, naquela confusa manhã. Mateus não disse que havia apenas um anjo. Bem poderia haver um anjo num ponto, perto do túmulo e outros dois, noutro ponto. Só haveria contradição se Mateus tivesse dito que haveria “apenas um anjo”. E quando um crítico usa esta passagem para mostrar erro na Bíblia, o erro não é da Bíblia, mas do tal crítico.
Do mesmo modo, Mateus 27:5 informa que “Judas foi-se enforcar”, enquanto Lucas diz que ele “precipitando-se, rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram”. (Atos 1:18). Mais uma vez, estas duas narrativas não são mutuamente exclusivas, pois Judas poderia ter-se enforcado à margem de um precipício, numa área rochosa, ou à margem de um canal, e suas entranhas poderiam ter-se derramado, exatamente conforme a vívida descrição de Lucas.
10. – SUPOR QUE A BÍBLIA APROVA TUDO QUE ELA REGISTRA – É um erro supor que tudo que está contido na Bíblia seja aprovado por ela. A Bíblia inteira é a verdade (João 17:17), porém, ela registra [com verdade e fidelidade] algumas mentiras [ditas por mentirosos]; por exemplo, as de Satanás (Gênesis 3:4; João 8:44); e a de Raabe (Josué 2:4). A inspiração compreende toda a Bíblia, no sentido de que ela registra, correta e fielmente, até as mentiras e os erros dos seres pecadores. Sua verdade é encontrada no que ela revela, não no que ela registra. E se esta distinção não for feita, poderemos chegar à errônea conclusão de que a Bíblia ensina a imoralidade, quando narra o pecado de Davi (2 Samuel 11:4); que ela promove a poligamia, quando registra quantas mulheres Salomão teve (1 Reis 11:3) ou que ela aprova o ateísmo, quando cita o Salmo 14:1: “Não há Deus”.
11 – ESQUECER QUE A BÍBLIA NÃO É UM LIVRO TÉCNICO – Ela não precisa usar a linguagem técnica, nem a chamada linguagem científica. Ela foi escrita para as pessoas comuns de cada geração, usando, portanto, a linguagem comum do dia-a-dia. Sua linguagem não é anticientífica. As Escrituras foram escritas nos tempos antigos, por modelos antigos e seria anacrônico impor-lhes os modernos modelos científicos. Mesmo assim, ela não é menos científica, quando cita o sol “parado” (Josué 10:12), do que referindo-se ao “sol nascendo” (Josué 1:16), pois os modernos metereologistas ainda usam termos como o “nascer” e o “por do sol”.

12 -SUPOR QUE NÚMEROS ARREDONDADOS SÃO FALSOS – Como acontece na linguagem comum, a Bíblia também usa números arredondados (Josué 3:4; 4:13). Ela se refere ao diâmetro como sendo 1/3 da circunferência de alguma coisa (Crônicas 19:18; 21:5). Conquanto isto seja apenas uma aproximação, (Lindsell 165-166), pode ser visto como impreciso do ponto de vista da sociedade tecnológica falar 3.14159265, em vez de “3” , mas não é incorreto. Já no Livro de Crônicas a descrição entregue sobre as meticulosidades do templo não poderia ser usada em um computador. Não se pode esperar que os atores numa peça de Shakespeare falem sobre um relógio de pulso, pois esta se refere a uma época pré-científica. [Nota da Tradutora: Neste exato momento, um e-mail vindo da Alemanha avisou que eu me tornei bisavó de um alemãozinho, que vai receber o nome de Paul Maximilian Schultze, em homenagem ao meu teólogo favorito. Isto seria possível há 50 anos?] .

13 – NEGLIGENCIAR A OBSERVAÇÃO DAS TENDÊNCIAS LITERÁRIAS – A LINGUAGEM HUMANA NÃO SE LIMITA A UM MODO DE EXPRESSÃO. Portanto, não há razão para supor que somente um gênero literário fosse usado em um livro divinamente inspirado. A Bíblia revela uma porção de tendências literárias. Livros inteiros são escritos em forma de poesia (Jó, Salmos e Provérbios). Os evangelhos sinópticos mostram parábolas. Em Gálatas 4, Paulo usa a alegoria. O Novo Testamento está cheio de metáforas (2 Coríntios 3:23; Tiago 3:6); de semelhanças (Mateus 20:1; Tiago 1:6); de hipérboles (João 21:25; 2 Coríntios 3:2; Colossenses 1:23); e até de figuras poéticas (Jó 41:1). Jesus usou a sátira (Mateus 19:24; 23:24). Figuras de linguagem são comuns em toda a Bíblia. Não é errado um escritor bíblico usar uma figura de linguagem, mas é errado um leitor tomar literalmente uma figura de linguagem. Obviamente, quando a Bíblia fala que o crente “se abriga à sombra das asas do Senhor” (Salmo 36:7), ela não está dizendo que Deus seja uma ave cheia de penas. Quando ela diz que Deus “desperta” (Salmo 44:3), como se Ele estivesse dormindo, isto significa apenas que Deus entra em ação.
14 – ESQUECER QUE SOMENTE O TEXTO ORIGINAL É INERRANTE [NOTA DE HÉLIO 3] – Erros genuínos têm sido encontrados nas cópias dos textos bíblicos que foram escritos centenas de anos, após os autógrafos. Deus ditou somente o texto original das Escrituras, não as cópias. Portanto, somente o texto original é isento de erros. A inspiração não garante que cada cópia seja isenta de erros, principalmente as cópias feitas de outras cópias. Por exemplo, a Bíblia King James, na 2 Reis 8:26, dá a idade o Rei Acazias como sendo de 22 anos, enquanto a 2 Crônicas 22:2 diz que era 42. O último número não pode estar correto, pois, assim, ele seria mais velho do que o seu pai. Claro que este é um erro do copista, mesmo que não altere a inerrância da narrativa original. [NOTA DE HÉLIO 3]
Primeiro, há erros nas cópias [NOTA DE HÉLIO 3], mas não nos originais.
Segundo, são erros sem importância (geralmente nos nomes e nos números, o que não afeta o ensino) [NOTA DE HÉLIO 3].
Terceiro, esses erros dos copistas são relativamente poucos [NOTA DE HÉLIO 3].
Quarto, geralmente, pelo contexto ou por outra escritura, descobrimos o erro. Exemplo, Acazias deveria ter 22 anos [NOTA DE HÉLIO 3]. Finalmente, embora havendo erro do copista, toda a mensagem chega até nós. E quanto mais erros se encontram nas cópias, mais devemos confiar nos originais. Por isso, os erros dos copistas não afetam a mensagem básica da Bíblia.
15 -CONFUNDIR DECLARAÇÕES PREVALENTES COM DECLARAÇÕES UNIVERSAIS
Como acontece a outros tipos de literatura, a Bíblia costuma usar generalizações. O Livro de Provérbios contém muitas delas. Os ditos proverbiais, pela sua exata natureza, oferecem uma direção prevalente mas não uma garantia universal. Paulo agradava ao Senhor e, mesmo assim, os seus inimigos o apedrejaram. (Atos 14:19) [N.T. – Embora o Senhor tenha permitido que, no seu estado inconsciente, o qual os psicanalistas modernos chamam de “E.Q.M. (Experiência de Quase Morte”), Paulo tenha ido ao Terceiro Céu]. Jesus Cristo agradou a Deus o Pai e, mesmo assim, os Seus inimigos O crucificaram. Na maior parte dos casos, os cristãos que agradam ao Senhor podem conseguir [de Deus] que os seus inimigos diminuam o antagonismo, [N.T. – provavelmente edificados pela paciência do cristão].
Os provérbios mostram sabedoria. Quando a Bíblia declara: “Sede santos porque eu sou santo”, (Levíticos 11:45), aqui não há exceção alguma. A santidade, o amor, a bondade, a verdade e a justiça estão enraizados na exata natureza de um Deus imutável, enquanto a literatura da sabedoria aplica verdades universais de Deus a muitas características da vida. Embora os resultados não sejam sempre os mesmos, de qualquer modo, a sabedoria sempre ajuda.
16. – Esquecer que a revelação mais atual sobrepuja a mais antiga [NOTA 4 DE HÉLIO] – algumas vezes os críticos não reconhecem a revelação progressiva. Deus não revela tudo de uma só vez, nem usa as mesmas condições em cada período da história. Algumas de Suas últimas revelações na Bíblia sobrepujam as revelações anteriores. Os críticos da Bíblia às vezes confundem essa mudança na revelação como sendo erro.
Um pai pode permitir que um filho pequenino coma com as mãos, mas nunca permite que um filho maior faça o mesmo. Seria isto uma contradição? O mesmo acontece com a revelação progressiva, adaptando-se às circunstâncias. Houve um tempo em que Deus proibiu que Adão e Eva comessem do fruto de uma determinada árvore, no Jardim do Éden. (Gênesis 2:16-17). Este mandamento divino já não está em efeito, mas a revelação atual não contradiz a primeira revelação, que se embasava no ato de obedecer ou não obedecer ao Senhor. Também houve um período na Lei Mosaica em que Deus ordenou o sacrifício de animais, a fim de remir os pecados dos homens. Mas, desde que Cristo se ofereceu em sacrifício pelos nossos pecados (Hebreus 10:11-14), este mandamento perdeu o efeito. Não existe contradição alguma entre o primeiro e o segundo mandamentos.
Claro que Deus não pode mudar os Seus mandamentos, pois isso tem a ver com a Sua natureza imutável (Malaquias 3:6; Hebreus 6:18). E visto como “Deus é amor” (João 4:16), Ele não pode ordenar que nós O odiemos. Ele também não pode ordenar o que seja logicamente impossível… Mas, apesar dos limites morais, Deus pode dar revelações progressivas, não contraditórias, as quais, quando tomadas no devido contexto e sendo justapostas, podem parecer contraditórias. Quando isso acontece, temos um erro como se admitíssemos ser correto um pai permitir que o seu filho de seis anos fique acordado, à noite, exatamente como o faz com o filho adolescente.
Em resumo, a Bíblia não pode errar, mas os críticos sempre erram. Não existe erro algum na revelação divina, mas na compreensão da mesma. Portanto, quando chegamos às dificuldades bíblicas, não devemos afirmar que o Autor do Livro esteja errado, mas (1) que o manuscrito tem falhas [NOTA DE HÉLIO 3]; (2) que a tradução está errada ou (3) que não o entendemos.

“Are There Any Erros in the Bible?” – Dr. Norman Geisler
Traduzido e adaptado por Mary Schultze, em 01/04/2013.

– NOTA 1 DE HÉLIO:
– Bem, eu estou voltando a crer naquela que, pejorativamente, os que nos odeiam chamam de “TEORIA DO DITADO MECÂNICO”. Estou voltando a crer como se cria alguns séculos atrás, isto é, que Deus ditou as SUAS exatas PALAVRAS à mente e esta à mão do autor, e este foi usado como um mero amanuense, mero instrumento para registrar as palavras originadas diretamente no próprio Deus. Deus poderia sempre ter usado absolutamente um mesmo vocabulário e estilo, em todos os 66 livros da Bíblia, mas soberanamente (talvez para testar as fé dos ouvintes e nossa?) escolheu usar, em cada livro, o vocabulário e estilo do autor do livro (Moisés, etc.).
Ver todos os versos sobre inspiração, por exemplo:
– “… pois engrandeceste a TUA PALAVRA palavra acima de todo o teu nome.” (Salmos 138:2). A ênfase é em cada PALAVRA, não em “conceitos gerais”. E cada palavra é literalmente de Deus, toda dEle, só dEle. Quem as falou, escreveu, copiou, recopiou, foi mero instrumento.

– “… Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a PALAVRA que sai da BOCA de DEUS.” (Mateus 4:4). A ênfase é em cada PALAVRA, não em “conceitos gerais”. E cada palavra é literalmente da boca de Deus, toda dela, só dela. Quem as falou, escreveu, copiou, recopiou, foi mero instrumento.

– “… convinha que se cumprisse a Escritura que o ESPÍRITO SANTO (de Deus) predisse PELA boca de Davi, …” (Atos 1:16) Cada letra da Escritura é do Espírito Santo (de Deus), toda dEle, só dEle, mesmo que a tenha posto na boca de Davi. Quando ele as falou e escreveu, e quando alguém as copiou, recopiou, foi mero instrumento.

– “As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as [PALAVRAS] que o Espírito Santo (de Deus) ensina, …” (1 Coríntios 2:13). Cada palavra da Escritura é literalmente de Deus, toda dEle, só dEle. Quem as falou, escreveu, copiou, recopiou, foi mero instrumento.

– “Toda a Escritura é DIVINAMENTE INSPIRADA {2315 theopneustos = “assoprada por Deus”}, e proveitosa para …” (2 Timóteo 3:16). Cada palavra da Escritura é literalmente assoprada por Deus e é toda dEle, só dEle. Quem as falou, escreveu, copiou, recopiou, foi mero instrumento.

– “E também o ESPÍRITO SANTO (de Deus) no-lo testifica, porque depois de haver DITO: Esta é a aliança que farei com eles Depois daqueles dias, DIZ o SENHOR: Porei as minhas leis em seus corações, E as escreverei em seus entendimentos; acrescenta: …” (Hebreus 10:15-17). Cada palavra da Escritura foi dita pelo Espírito Santo (de Deus) e pelo Senhor, portanto é toda dEle, só dEle. Quem as falou, escreveu, copiou, recopiou, foi mero instrumento.

– “… a profecia nunca foi produzida por vontade {2307 thelema, escolha ativa} de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados [ou MOVIDOS] pelo Espírito Santo (de Deus).” (2 Pedro 1:21). Nenhuma palavra da Escritura foi uma escolha ativa, uma decisão de quem as falou ou escreveu; ao contrário, estes homens santos de Deus falaram e escreveram totalmente movidos pelo Espírito Santo (de Deus)

. Portanto, cada palavra da Escritura é literalmente de Deus, toda dEle, só dEle. Quem as falou, escreveu, copiou, recopiou, foi mero instrumento.

NOTA 2 DE HÉLIO: O autor, e só ele, pode parafrasear o que disse, de modo a explicar de modo ao atual ouvinte entender melhor o que o autor quis dizer. Eu posso ter dito, há 10 anos atrás, “pegue o bicho antes que ela pegue alguém”, e hoje, contando a meu neto, eu posso dizer que eu disse “mate a cobra antes que ele fira alguém.” Mas só o autor da Bíblia pode se exprimir de modo que julgue melhor ao ouvinte de hoje, ninguém mais tem direito a mudar sequer a menor letra e menor acento.
NOTA 3 DE HÉLIO: Nos outros pontos até que Geisler vai mais ou menos bem. Mas, aqui, comete erro gravíssimo (se bem que extremamente comum, depois dos alexandrinos e do mau espírito da moderna e má crítica textual): o autor acredita que copistas introduziram erros que se disseminaram a um tal ponto que a maioria ou todos os manuscritos não mais são EXATAMENTE a palavra de Deus preservada com absoluta perfeição em cada jota e til, de Gn 1 a Ap 22. Ah, como dói ver “fundamentalistas” e outros “defensores” da Bíblia dizerem que a Bíblia basicamente somente FOI perfeita no dia exato em que cada ORIGINAL foi escrito pelas mãos de Moisés, João, Paulo, etc., pois depois disso Deus não teve o poder (que fracote deus!) ou não teve o desejo (que mal deus!) de preservar Sua Palavra!!! Ver resposta a isso em http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-PreservacaoTT/Biblia-PreservPerfeitaOuRestaucInsegura-Helio.htm e em http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-PreservacaoTT/ . A propósito do suposto erro na idade de Acazias, ver http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-InspiracApologetCriacionis/2Rs8_26Versus2Cr22-8-IdadeAcazias-Helio.htm .
NOTA 4 DE HÉLIO: Claro que concordo que a revelação de Deus é progressiva. Mas o autor foi infeliz na escolha de certas palavras. Ao usar “sobrepuja”, alguém poderia pensar que Deus estava errado em algo (em Si mesmo ou que preconizou para os homens) depois se arrependeu e Se aperfeiçoou (em Si mesmo ou no Seu modo de tratar os homens). Os exemplos também deixam a desejar, alguém poderia pensar que Deus tolerava no crente inferior do VT algumas coisas pecaminosas aos olhos de Deus, e que somente ao crente superior do NT revelou que aquilo é pecado e que Ele nunca gostou muito de tê-lo permitido.

Fontes:

G. L. Archer, Jr., An Encyclopedia of Biblical Difficulties
W. Arndt, Bible Difficulties
—, Does the Bible Contradict Itself?
Augustine, City of God.
Augustine, Reply to Faustus the Manichaean, in P. Schaff, ed., A Select Library of the Nicene and Ante-Nicene Fathers of the Christian Church
N. L. Geisler, “The Concept of Truth in the Inerrancy Debate,” ., October-December 1980
—and T. Howe, When Critics As

—and W. E. Nix, General Introduction to the Bibl
J. W. Haley, Alleged Discrepancies of the Bibl
H. Lindsell, The Battle for the Bibl
J. Orr, The Problems of the Old Testament Considered with Reference to Recent Criticism
J. R. Rice, Our God-Breathed Book-The Bibl
E. Thiele, The Mysterious Numbers of the Kings of Israel
R. Tuck, ed., A Handbook of Biblical Difficulties
R. D. Wilson, A Scientific Investigation of the Old Testament

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can leave a response, or trackback.

Deixe uma resposta