Header
Header
Header
Header
Header

AS CONCESSÕES DA GUERRA BIOLÓGICA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA (1953-1973)

setembro 22nd, 2013 | Posted by Paulo Pinto in Artigos

LIVINSTONE

Reeditado! Livro muito esclarecedor, com informações até então desconhecidas para nós brasileiros. A pesquisa feita por Neil Livingston é profunda, e ele mostra os fatos, e confirma com os escritos, tudo dentro da literatura adventista oficial. O livro 1888 Re-Examinado mostra um lado da rejeição da verdade pela igreja, mas este livro mostra quase tudo que foi alterado em nossa igreja desde a morte da irmã White. Para termos uma idéia da abrangência deste livro de 853 páginas, o dogma da trindade representa uma página somente! “Temos muito mais a temer de dentro do que de fora”, Ellen White afirmou. “Os obstáculos à força e ao êxito são muito maiores da parte da própria igreja do que do mundo.” (Mensagens Escolhidas I, página 122). Como podemos nos livrar de sermos enganados? Deveríamos deixar de estudar, receando sermos enganados? Existe algum conselho na Bíblia e no Espírito de Profecia para esses tempos perigosos e enganosos? Sim! Deus nunca permitiria que morrêssemos afogados em um oceano de contrafações. “Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.”, o apóstolo Paulo argumenta. (II Tessalonicenses 2: 15, grifo nosso). Deus aconselha: “Estai firmes, retende a tradição [verdade] que vos foram ensinadas.” Estude a história do Movimento do Segundo Advento e apegue-se à verdade histórica dos Adventistas do Sétimo Dia. (Prefácio do autor.)

Capítulo XVI: Projeto Secreto Avental
As concessões da guerra biológica Adventista do Sétimo Dia
(1953-1973)
Os guardiões da Igreja Adventista… estão satisfeitos com a moralidade da forma sem substância, na qual a arte do engano pode ser apresentada como remédios medicinais e na qual a guerra biológica pode ser abraçada em pia obediência às determinações de Deus contra a morte. Roses, pp. 179 e 180
Sidney Katz registrou a mais secreta arma nos arsenais tanto do Leste como do Oeste – “veneno mental”, Maclean afirmou em uma reportagem no Canadá. “O propósito deles é conquistar sem carnificina e já alguns líderes militares estão chamando-lhes ‘humanitário’” (Maclean, 21 de Abril de 1962).
“Não é sem risco utilizar voluntários humanos para testar os novos agentes químicos e biológicos”, Katz afirmou. “Os experimentos ingleses resultaram em, no mínimo, uma morte a qual foi discutida na Câmara dos Comuns.” (Sidney Katz, Maclean, 21 de Abril de 1962).

Leia todo o capítulo em http://adventistas-historicos.com/arquivos/A_Grande_Conspiracao.PDF  a partir da página 320 A 349.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can leave a response, or trackback.

Deixe uma resposta