Header
Header
Header
Header
Header

Câncer vai se generalizar, ainda que esconda que a principal causa seja o consumo de alimentos contaminados por agrotóxicos, que também estão dentro do tabaco e do álcool. Folha de São Paulo, SP, 26 de abril de 2013.

Um relatório produzido por especialistas da revista “Lancet Oncology” que será apresentado hoje em um seminário em São Paulo mostra que a América Latina não está pronta para lidar com o crescimento dos casos de câncer.

A equipe, liderada pelo médico Paul Goss, da Universidade Harvard, mostra que os casos de câncer na região devem somar 17 milhões até 2030, com 1 milhão de mortes por ano previstas.

Apesar de ainda ter uma incidência menor de câncer do que os EUA e a Europa, a América Latina tem maior mortalidade pela doença do que as outras regiões.

Na América Latina, há 163 casos de câncer por 100 mil habitantes e 13 mortes a cada 22 casos. Nos EUA, são 13 mortes a cada 37 casos.

Um dos grandes motivos para a diferença é o estágio no qual os tumores são detectados. Nos EUA, 60% dos casos recebem diagnóstico já no início da doença, o que acontece só em 20% dos casos no Brasil e 10% no México.

De acordo com Paul Goss, uma das explicações para a falta de diagnósticos precoces é o fato de os países da América Latina terem concentrado esforços e investimentos na prevenção e no tratamento de doenças infecciosas. “A aplicação de recursos em doenças como o câncer não aconteceu”, escreveu Goss em comunicado.

O problema é que o câncer é uma doença ligada ao envelhecimento da população. O relatório estima que, até 2020, 100 milhões de pessoas na América Latina terão mais de 60 anos.

“A adoção de estilos de vida similares aos praticados em países desenvolvidos levará a um rápido crescimento do número de pacientes com câncer, um custo para o qual os países da América Latina não estão preparados.”

O estudo também destaca o problema da concentração dos centros de atendimento oncológico em grandes cidades, deixando descoberta grande parte da região.

O Globo
Globo, 26.04.2012

A encruzilhada do câncer
Incidência de casos já é próxima à dos EUA, mas mortalidade é quase o dobro

Duilo Victor

Um grupo de pesquisadores de câncer de 12 países do continente americano lançou um estudo que alerta a América Latina sobre um impasse no enfrentamento da doença. A conclusão do trabalho, que também serve para o Brasil, é que enquanto os habitantes desta região do planeta ganham hábitos de comportamento e consumo que os aproximam de países desenvolvidos, inclusive o sedentarismo e a obesidade, os mesmos países não conseguem dar assistência médica em nível correspondente. Como resultado, a incidência de câncer entre os latino-americanos se aproxima da dos EUA, da União Europeia e do Japão, mas a proporção das pessoas que morrem deste mal é bem maior no nosso subcontinente. Se nada for feito, estima o trabalho, mais de um milhão de pessoas vão morrer da doença por ano a partir de 2030.

O estudo, publicado na revista “Lancet Oncology”, destaca que a proporção de pessoas que morrem de câncer na América Latina é bem maior em comparação com os Estados Unidos. Na região, para que 13 pessoas morram por causa da doença, têm que haver 22 casos de câncer, ou 59%. Nos EUA, são 37 ocorrências para as mesmas 13 mortes, o que equivale a 35% mais. O Brasil está no meio do caminho, com 29 casos para o mesmo nível de mortalidade, segundo dados de 2008.

Brasil gasta U$ 8 para cada novo paciente

O trabalho, do Grupo de Cooperação em Oncologia da América Latina, tem um quadro que relaciona o quanto cada país da região gasta com cada novo paciente. O Brasil perde na comparação com vizinhos sul-americanos, segundo dados de 2009. São U$ 8,04 por paciente, enquanto, no Chile, a soma é quase o dobro, U$ 15,09. No Uruguai, estava em U$ 26,63. Nos EUA, são U$ 460,17 por indivíduo diagnosticado. Em resposta, o Ministério da Saúde informa que ampliou em 26% o investimento na assistência oncológica nos últimos dois anos para R$ 2,4 bilhões em 2012.

– Não se trata apenas de aumentar o dinheiro gasto com câncer no Brasil, mas também de distribui-lo melhor – alerta Paul Goss, líder da pesquisa. – A política para a doença não está bem implementada por inteiro, há discrepâncias no atendimento em grandes centros urbanos e no interior do país, sobretudo com populações indígenas, como se houvesse dois “brasis”.

O pesquisador, da Escola de Medicina de Harvard, acrescenta, por meio do estudo, que a distribuição desigual de recursos humanos e materiais para tratamento de câncer não é exclusividade do Brasil e afeta a maioria dos países latino-americanos. Entre os brasileiros, onde a média é de 144 médicos por 100 mil pessoas, existem apenas 60 médicos por 100 mil nas áreas menos desenvolvidas da Região Norte, contra 210 para o mesmo número de habitantes no Sudeste. No Norte e no Nordeste, onde a fatia da população que vive em áreas rurais é maior, cerca de 40% das mulheres com 25 anos ou mais fazem o exame de mamografia; na Região Sudeste, 65% das mulheres fizeram exames para detecção do câncer em 2008. Não à toa, o estudo diz que só 20% dos casos de câncer de mama são detectados nas fases iniciais. Mas, neste caso, o número é contestado pelo Ministério da Saúde, que, em comentário feito no próprio relatório, diz que o índice de detecção está perto do patamar americano, de 60%.

Em resposta, o Ministério da Saúde informa que, para reduzir as desigualdades regionais foram assinados 11 convênios para criação de serviços de referência no diagnóstico e tratamento ao câncer de colo do útero nas regiões Norte e Nordeste e aprovadas outras 31 propostas. Até 2014, continua o ministério, estão previstos investimentos de R$ 4,5 bilhões em ações de prevenção e na expansão de serviços de diagnóstico e tratamento do câncer de mama e do colo do útero, que são os que mais atingem as mulheres. Além disso, foi prometida a estruturação e ampliação de 80 serviços de radioterapia, aumentando em 32% a assistência aos pacientes no país.


Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.
Secretaria Operativa Nacional
fone:(61) 8145 – 7083
site: www.contraosagrotoxicos.org

DÍZIMO
DizimoUniversal
É FATO QUE UMA DENOMINAÇÃO MUITO CONHECIDA JÁ VEM COBRANDO HÁ MUITOS ANOS O DÍZIMO EM FOLHA PARA SEUS PASTORES E OUTROS FUNCIONÁRIOS DA EMPRESA “RELIGIOSA”.
MAS, DESDE 2011 UMA IGREJA IRMÃ DESSA, PORQUANTO CREEM EM DOGMAS IDÊNTICOS, RESOLVEU “INOVAR” CRIANDO O DÍZIMO (UMA OBRIGAÇÃO SÓ DO POVO DE ISRAEL NOS DIAS DO VT, ATÉ À CRUZ DE CRISTO, E SEMPRE EM ALIMENTOS DO CAMPO, DISPENSANDO AS VIÚVAS, ÓRFÃOS E ESTRANGEIROS DESSA OBRIGAÇÃO, PELO CONTRÁRIO, COMENDO ESSE D´[IZIMO A CADA 3 ANOS, DEUT. 14:28 E 29) NO DÉBITO AUTOMÁTICO, PASMEM OS SENHORES, TAL INDECÊNCIA E FALTA DE DECORO E DO VERDADEIRO ESPÍRITO DE CRISTO.
“Não é por falta de criatividade que as igrejas deixarão de arrecadar dinheiro dos seus fiéis. Maior exemplo de inovação é o missionário R.R.Soares, líder da Igreja Internacional da Graça, que acaba de lançar uma nova modalidade de coleta de dízimo, por meio de débito automático em conta-corrente”.
Segundo Soares divulgou em seu programa na Band, o membro da igreja poderá fazer suas doações mensalmente de forma mais prática. Para isso o fiel deve preencher…”
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/924696-na-tv-pastor-inova-e-cria-o-dizimo-no-debito-automatico.shtml
SE TIVER DÚVIDAS SOBRE A NÃO OBRIGAÇÃO DA EXIGÊNCIA DO DÍZIMO PARA OS CRENTES SOB A NOVA ALIANÇA, LEIA:

https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&ved=0CDAQFjAA&url=http%3A%2F%2Fsolascriptura-tt.org%2FVidaDosCrentes%2FComRiquezas%2FDizimoVT-X-DadivarNT-Anderson.htm&ei=-HN9UfLqFIr28gT47oCICw&usg=AFQjCNEQNZ7_i5NFcF4A7oqMkHu2NpX2zg&sig2=EPoWFU71Shdlt_8RrJFlvQ&bvm=bv.45645796,d.eWU

http://www.augustocoimbra.xpg.com.br/mitos_e_verdades_dizimos.pdf

http://www.scribd.com/doc/4796668/TUDO-SOBRE-O-DIZIMO

VEJA O VÍDEO E TIRE SUAS CONCLUSÕES:
STRESS.

profetas-e-reis-falso-com-contec3bado-catc3b3lico
O pastor Coreano DAVID KANG, em seu vídeo de denúncia, mostra a capa do livro Profetas e Reis de Ellen White traduzido para o Chinês. Mas apenas a capa é do livro adventista. Dentro existem capítulos, que não são do livro! Mas que trazem textos dos Jesuítas! O livro vem recheado de textos católicos!
LEIA A MATÉRIA EM http://adventismoemfoco.wordpress.com/2011/12/03/jesuitas-estao-imprimindo-livros-adventistas-com-conteudo-catolico-na-china/

ARQUIVO X DA IASD

abril 27th, 2013 | Posted by Paulo Pinto in Artigos - (0 Comments)

As informações contidas nesse site foram extraídas do minucioso trabalho de pesquisa realizado por Ennis Meier nos arquivos da Conferência Geral em Washington, USA.

Como poderá ser constatado, suas pesquisas revelaram que existe uma importante parte da história da Igreja Adventista do Sétimo Dia que é desconhecida pela maior parte dos seus membros, e até por parte de seus pastores e administradores.

Alguns interpretam os fatos como uma sórdida e real conspiração engendrada por homens com intenções e planos bem diferentes dos pioneiros deste movimento. Outros, mais tradicionais e fiéis a Corporação da Igreja, acreditam que tudo não passa de uma conspiração fabricada por alguns poucos descontentes e problemáticos membros ou ex-membros, que em algum momento se sentiram maltratados por pessoas que representavam a igreja, e procuram agora a todo custo vingar-se inventando calúnias, distorcendo os fatos e denegrindo pessoas.

Conspiração real por parte dos líderes da Igreja ou conspiração fabricada por pessoas encrenqueiras?

Analise as informações e tire as suas próprias conclusões.

Vamos aos fatos!

ENTRE MUITOS DOCUMENTOS, VEJA OS OS YEAR BOOKS DE 1895 ATÉ 1914

E O YEAR BOOK DE 1931, O PRIMEIRO, 16 ANOS APÓS A MORTE DE EGW, NO QUAL, POR FORÇA DE APENAS 4 ADMINISTRADORES DA IASD, JAMAIS A CONFERÊNCIA GERAL, INTRODUZIRAM O DOGMA ROMANO DA TRINDADE NO CORPO DOUTRINÁRIO DA IGREJA. LAMENTAVELMENTE A APOSTASIA CHEGOU!

ROBERT SESSLER CONTA TUDO

abril 27th, 2013 | Posted by Paulo Pinto in Artigos - (0 Comments)

NO SEU LIVRO “A ABOMINAÇÃO DA DESOLAÇÃO E A HISTÓRIA DA IASD.
TUDO MUITO BEM EXPLICADO COM BASE NAS ESCRITURAS SAGRADAS E TEXTOS DE EGW.
ACESSE: http://www.adventistas.com/biz/robert_sessler/
NÃO DEIXE DE LER OS APÊNDICES, ESPECIALMENTE OS SOBRE REFORMA DE SAÚDE

E SEPARAÇÃO.

TRANSGÊNICOS
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Transgênicos

LEI DOS TRANSGÊNICOS NO BRASIL

Pela 1ª vez, transgênicos ocupam mais da metade da área plantada no Brasil

ATÉ ONDE VAI A ESTULTÍCIA DE UMA EMPRESA “RELIGIOSA” QUE SE VENDEU À “FAMA” (MÁ FAMA), AINDA QUE ÀS CUSTAS DA PERDA DA DIGNIDADE, DA DECÊNCIA E DA ETERNIDADE?

Está publicado no www.adventistas.ws

“A TV NOVO TEMPO querendo aparecer a qualquer preço”!

Nossa Opinião:

A entrevistada deveria ser mais recatada. (mais reservada e menos cara de pau)

Mas, o problema maior foi da apresentadora, que deixou a entrevista correr solta !
Mesmo que a entrevista tivesse sido ao vivo, não foi a única atuação e nem a única indiscreção da entrevistada, daí cabendo a maior responsabilidade para a direção do programa.

Sem defender os comediantes na irreverência e falta de respeito a Deus, porém provocar risadas e zombaria, para depois usar a Bíblia como arma, não é necessariamente a melhor forma de ensinar religião.

As risadas do auditório não chocaram a apresentadora, ou foram só as gargalhadas dos comediantes?

O comportamento da entrevistada é tão atípico, senão ridículo, que não seria uma surpresa tratar-se de uma montagem da produção do programa.

“Sem tabus” video da TV Novo Tempo e Top Five

CLIQUE: http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=qiHWkZV9gS8#t=0s

CLIQUE: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=858JZI5WQkE#!

Pergunta do telespectador, e quem responde é a entrevistada ??? (sempre a mesma)

(Clique “skip ad” caso comece com comercial)

DNA

“Achar que o mundo não tem um criador é o mesmo que afirmar que um dicionário é o resultado de uma explosão numa tipografia.” Benjamin Franklin, Jornalista, editor, autor, filantropo, abolicionista, funcionário público, cientista, diplomata,inventor e enxadrista estadunidense.

“Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.
Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra.
Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia.
E quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão grandes são as somas deles!
Se as contasse, seriam em maior número do que a areia; quando acordo ainda estou contigo”. Salmos 139:14-18

“O sequenciamento do genoma humano não teria sido possível sem a elucidação da estrutura molecular do DNA
Dois grandes feitos da ciência fazem aniversário neste mês. Cerca de duas semanas atrás, comemoraram-se dez anos do primeiro sequenciamento completo de um genoma humano, anunciado em 14 de abril de 2003 por um consórcio internacional de cientistas. Esse marco científico e tecnológico que está revolucionando a medicina, porém, jamais teria sido possível sem um outro feito monumental, que completa 60 anos na quinta-feira (25): a elucidação da estrutura molecular do DNA.

A descoberta da dupla hélice pelo americano James Watson e o britânico Francis Crick estabeleceu a pedra fundamental sobre a qual todo o conhecimento moderno da genética humana e da vida na Terra está estruturado.

Sem conhecer a estrutura da molécula de DNA, seria impossível entender como funciona. E, sem entender como o DNA funciona, seria impossível entender como a vida funciona. A existência do DNA (ácido desoxirribonucleico) já era conhecida desde o fim do século 19, mas sua estrutura molecular (e portanto suas funções essenciais) permaneceu um mistério até Watson e Crick a desvendarem. O trabalho histórico, curto e elegantemente simples com apenas uma página e um desenho, foi publicado em 25 de abril de 1953 na revista científica britânica Nature.

“Foi um trabalho tão bem feito que até hoje está do jeito que está, sem nenhuma correção, e continua a ser uma fonte básica de informação para livros-texto de várias disciplinas”, diz o pesquisador Eduardo Gorab, do Departamento de Genética do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. “De longe foi o trabalho que deixou todos os outros para trás”, completa, referindo-se à corrida que havia na comunidade científica da época para chegar à cobiçada estrutura.

Nove anos depois da publicação da descoberta, Watson e Crick receberam o Prêmio Nobel pela descoberta, ao lado do britânico Maurice Wilkins, que elucidou algumas das funções biológicas associadas à estrutura da dupla hélice. Os três pesquisadores foram originalmente nomeados para receber o Nobel de Química, mas acabaram recebendo o de Medicina, pelo reconhecimento – então pioneiro – das enormes implicações da descoberta para a compreensão da biologia humana.

IMPLICAÇÕES – Meio século mais tarde, a descoberta da dupla hélice desembocou no sequenciamento do genoma humano, que por sua vez desencadeou um processo de revolução científica e tecnológica na Medicina como um todo. Quase todas as doenças humanas têm um componente genético. Ou são causadas diretamente ou, no mínimo, são influenciadas (para o bem ou para o mal) por características genéticas individuais de cada paciente. Conhecer e entender essas características, portanto, é um dos objetivos mais importantes da medicina moderna. A chamada “medicina personalizada”.”É algo que vai ter repercussões tremendas nos próximos anos”, diz o pesquisador Emmanuel Dias Neto, do Centro Internacional de Pesquisa e Ensino do Hospital A. C. Camargo.

A tecnologia para isso avança numa velocidade espantosa. O sequenciamento e o mapeamento do primeiro genoma humano custaram quase US$ 3 bilhões e levou mais de dez anos para ser concluído. Hoje, pode-se sequenciar um genoma humano em um dia, por cerca de US$ 1 mil, numa única máquina. São comuns projetos de pesquisa envolvendo o sequenciamento de milhares de pacientes. “Quanto mais informações temos, mais coisas podemos fazer com elas”, diz Emmanuel, que trabalha com genética de câncer. “A tecnologia hoje nos permite fazer coisas que jamais imaginaríamos possíveis.”

FONTE: Jornal da Ciência (JC E-Mail) Edição 4713 – Notícias de C&T – Serviço da SBPC
(Herton Escobar / O Estado de São Paulo)

QUANDO A VIDA HUMANA COMEÇA?

abril 24th, 2013 | Posted by Paulo Pinto in Artigos - (0 Comments)

ABORTO
ABORTO2
Não há consenso científico sobre o momento do início da vida, o que ajudaria a resolver impasses legais e jurídicos
Com o processo de reforma do Código Penal Brasileiro, a discussão sobre o aborto foi acirrada. O Conselho Federal de Medicina (CFM) decidiu enviar ao Senado um documento defendendo a liberação do aborto até 12ª semana de gestação. A decisão foi tomada durante o 1º Encontro Nacional de Conselhos de Medicina 2013, realizado entre 6 e 8 de março, em Belém.

Compartilhada pelos 27 conselhos regionais, representando, ao todo, 400 mil médicos no país, a posição do CFM gera controvérsias. Afinal, quando começa a vida humana? Diversas religiões, culturas e civilizações têm usado diferentes parâmetros para marcar o ponto inicial da existência. Uma resposta exata e científica para esta pergunta poderia ajudar a resolver muitos impasses legais e jurídicos. Entretanto, mesmo na ciência, não há um consenso sobre o momento que caracteriza o início da vida. “Mais de 20 critérios biológicos podem ser utilizados, de forma defensável e de acordo com um referencial que lhes dê suporte”, explicou José Roberto Goldim, professor de bioética da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Um desses critérios é o genético, que estabelece a concepção como a origem de todo ser humano, pois é na combinação dos genes de espermatozóide e óvulo que se forma um novo indivíduo. “Do ponto de vista técnico, um zigoto, geneticamente completo, tem potencial biológico para vir a ser um indivíduo desde a sua origem, e sua vida, inédita na existência, inicia exatamente neste ponto”, afirma Clarisse Sampaio Alho, mestre em genética e biologia molecular pela UFRGS, no livro “Bioética: uma visão panorâmica”.

Esta é a visão dominante na legislação brasileira. O aborto é proibido em qualquer momento da gestação, com apenas duas exceções: gravidez resultante de estupro e risco à vida da mãe. Em caso de anencefalia, quando o feto apresenta má formação cerebral e está fadado à morte, a mulher pode interromper a gestação recorrendo à decisão de 2012 do STF (Supremo Tribunal Federal). Este último caso, no entanto, ainda não está previsto na lei.

Além dos casos de anencefalia ou feto com graves e incuráveis anomalias, o CFM propõe incluir mais duas exceções à ilicitude do aborto: gravidez por emprego não consentido de técnica de reprodução assistida e por vontade da gestante até a 12ª semana da gestação, quando o médico constatar que a mulher não apresenta condições psicológicas para a maternidade.

O Conselho, através de nota, afirmou que se baseou em aspectos éticos, epidemiológicos, sociais e jurídicos. Uma das preocupações manifestadas pelo CFM é a estatística de mortalidade e morbidade de mulheres em decorrência de abortos mal realizados. Segundo informação veiculada pela própria entidade, as complicações causadas por este tipo de procedimento feito de forma insegura representam a terceira causa de ocupação dos leitos obstétricos no Brasil.

Na opinião de Goldim, o padrão de 12 semanas utilizado pelo CFM, que também é adotado por muitos autores, pode ser justificado de duas maneiras. “A primeira é o critério neocortical. Ao redor da 12a semana de gestação a estrutura cerebral do feto está completa. Este critério estabelece o início da vida de uma pessoa através de uma simetria com a morte encefálica. Outra explicação possível é a utilização do critério da animação. Entre a 12a e 16a semanas de gestação o feto começa a apresentar movimentos percebidos pela mãe. Ao ter reações perceptíveis externamente, passa-se a ser reconhecido como um novo indivíduo.”

Com base nestes argumentos, a maioria dos países onde o aborto é legalizado a pedido da mulher, ele só pode ser feito até a 12ª semana, em média. Cuba, Canadá e a maior parte da Europa são exemplos de nações que permitem a interrupção da gravidez nessas condições.

Nos Estados Unidos, o aborto é legalizado em todo o país até a 24ª semana de gestação. Em 1973, no caso “Roe versus Wade”, a Suprema Corte Americana decidiu ser inconstitucional proibir a mulher de interromper a gravidez, garantindo um direito integrador da privacy (liberdade pessoal), inscrito na 14ª Emenda. O critério utilizado para delimitar o período de 24 semanas também vem da ciência, que considera o sexto mês o marco da independência do feto, que com os pulmões desenvolvidos é capaz de sobreviver fora do útero.

No Brasil, a legalização é solicitada pelo movimento feminista e outros grupos políticos. Mas também há uma grande parcela da sociedade, formada em parte por religiosos, que se opõe à mudança na legislação sobre o aborto. “Nós somos terminantemente contra. Somos a favor da vida. A concepção já é a vida e com três meses você vai tirar um feto aos pedaços para jogar no lixo. Nós não podemos conviver e nem aplaudir uma atitude como essa”, declarou o senador Magno Malta (PR-ES), presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família Brasileira.

Roberto Luiz d’Avila, presidente do CFM, explicou que a decisão da instituição não pretende a descriminalização do aborto. “É importante frisar que não se decidiu serem os Conselhos de Medicina favoráveis ao aborto, mas, sim, à autonomia da mulher e do médico. Neste sentido, as entidades médicas concordam com a proposta ainda em análise no âmbito do Congresso Nacional”.

Para José Roberto Goldim, os critérios médicos devem ser considerados, mas não dominantes. “Não será a ciência nem a medicina que darão a resposta. O reconhecimento de que um ser humano é uma pessoa ultrapassa o critério biológico, se baseia em questões existenciais e normativas. Esta reflexão compartilhada deve ser um posicionamento do conjunto da sociedade, após ser esclarecida e refletir sobre estas questões”. Ele acredita que o mais importante neste debate é incluir todos os setores da sociedade. “O desafio é assumir as identidades específicas de cada segmento, reconhecer a existência de diferenças, evitar que estas se tornem elementos de discriminação e buscar a coerência neste diálogo”.

(Paloma Barreto / Jornal da Ciência)

Esta matéria está na página 8 do Jornal da Ciência, disponível em PDF desde sexta-feira, dia 19 de abril.
FONTE: Jornal da Ciência (JC E-Mail) – Edição 4712 – Notícias de C&T – Serviço da SBPC.

Nos Evangelhos vemos Cristo deixando dois ritos simbólicos para a sua Igreja.
Um deles é o Batismo e o outro é a Ceia do Senhor (Mt. 26:17-30; Mc 14:12-26 e 16:15; Lc. 22:7-23).
A Ceia do Senhor tem sido alvo de muita controvérsia ao longo dos séculos.
É verdade que costumes pagãos pouco a pouco foram contaminando os ritos.
A Ceia do Senhor foi deturpada pela Igreja Católica, ICAR, quando introduziu o dogma da transubstanciação e o novo sacrifício de Cristo na eucaristia; o uso de velas em igrejas protestantes; o estabelecimento pelas igrejas caídas de que só os clérigos podem oficiá-la, etc, instaurando o paganismo, sistema corrupto que o povo de Deus não pode tolerar ou aprovar.
Entretanto, não é por causa dessas distorções à verdade bíblica que devemos rejeitar o rito e as lições preciosas nele contidas.
Veja em anexo um texto muito rico em informações de como foi o próprio Deus quem estabeleceu o sistema cerimonial desde o princípio (Gen. 3:21) e mais tarde no monte Sinai.
Na passagem do povo de Deus pelo meio do rio Jordão, foi o próprio Deus quem autorizou a retirada de doze pedras do fundo do rio, com as quais Josué fez um memorial (Jos. 4), etc.
No Novo Testamento existem muitos símbolos significativos de verdades eternas. O livro do Apocalipse é cheio de símbolos.
A páscoa no VT era um memorial do velho pacto, provisório, imperfeito. A Ceia do Senhor é um memorial do Novo Pacto, Novo Concerto, permanente, perfeito.
“A Ceia (do Senhor) é uma instituição de Jesus para ser observada com critérios e com convicção de um corpo coeso, de uma igreja coesa, congregada”. Atualidades, temas atuais à luz da Bíblia, 98, Junta de Educação Religiosa e Publicações da Convenção Batista Brasileira, páginas 84 e 85.
ceia
ceia2

(Efésios, 1:5-12; 12:1-10)

INTRODUÇÃO:

Tenho um amigo, cuja experiência nos dá algum insight na doutrina da GRAÇA de Deus. Ele acabara de voltar do Vietnam, onde havia servido no exército. Após a liberação, ele possuía bastante capital para realizar um desejo antigo, que era possuir um carro Jaguar. Certa manhã, bem cedo, ele estava dirigindo numa parte remota e pouco povoada de Oklahoma, a qual ele achava ser o lugar perfeito para ver até onde o carro poderia alcançar. O ponteiro logo alcançou 160 milhas/hora [256 km/h]. Bem perto, havia um patrulheiro esperando. Como cidadão da lei, meu amigo pisou nos freios, baixando para 150 milhas/hora [240 km/h]. e continuou na estrada.A GRAÇA DE DEUS

CEIA DO SENHOR_13
OU
CEIA DO SENHOR_14
O partir o pão em Lucas 24 não é a ceia do Senhor. A ceia foi instituída pelo Senhor nos evangelhos, mas aquela ainda não era a ceia que praticamos. A que praticamos (e os discípulos em Atos praticavam sem ainda entenderem perfeitamente o que faziam) é a que foi revelada pelo Senhor a Paulo em 1 Coríntios 11 (não foram os outros que contaram a ele). Vamos à passagem de Lucas 24:

Luc 24:28-31 E chegaram à aldeia para onde iam, e ele fez como quem ia para mais longe. E eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco, porque já é tarde, e já declinou o dia. E entrou para ficar com eles. E aconteceu que, estando com eles à mesa, tomando o pão, o abençoou e partiu-o, e lho deu. Abriram-se-lhes então os olhos, e o conheceram, e ele desapareceu-lhes.

Em Lucas 24 vemos o Senhor tomando o lugar de anfitrião (a casa não era a dele) e tomando a iniciativa em tudo. Embora não seja uma reunião da igreja (que ainda não existia) e nem a ordenança da ceia do Senhor (nada é falado do vinho), a cena é um bom exemplo do que acontece quando a assembleia se reúne ao Seu nome. Mas ali claramente tratava-se de uma refeição normal, e não da ceia do Senhor revelada pelo Senhor a Paulo como uma ordenança dada à Igreja.

Em Atos 2:46 o “partir o pão” não era a ceia do Senhor, mas a refeição comum que os judeus faziam, mas o versículo em Atos 2:42 está falando da ceia do Senhor. Como distinguir se ambas passagens usam a expressão “partir o pão”? Simples, basta ver o contexto e o que está associado a cada uma das ocorrências. O verbo “apanhar”, por exemplo, pode ter diferentes significados dependendo de onde está inserido na frase. “Apanhei de meu colega na escola” significa que levei uma surra dele, mas “Apanhei meu colega na escola” significa que fui buscá-lo ali. Vamos às duas passagens de Atos 2:

Ats 2:41-42 De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas; E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.

Esta passagem está falando de uma atividade corporativa como assembleia ou igreja, ainda que eles não entendessem exatamente que estavam vivendo algo distinto de Israel e que suas reuniões nada mais tinham a ver com o judaísmo. A verdade da igreja só seria revelada mais tarde a Paulo, conforme a passagem de 1 Coríntios:

1 Co 11:23-26 Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.

Não faria sentido dizer que “perseveravam… no partir do pão” se em Atos 2:41-42 a expressão indicasse meramente a alimentação diária. Interpretar assim seria como dizer que “perseveravam em tomar café da manhã, almoçar e jantar”, o que não teria qualquer importância e nem conexão com “doutrina dos apóstolos”, “comunhão” e “orações”.

Portanto é sempre bom entender que quando lemos Atos estamos vendo um período de transição e não a doutrina dos apóstolos especificamente falando. Lembre-se de que Atos é a continuação do evangelho de Lucas. Em Atos vemos os atos ou ações dos primeiros cristãos, mas é na doutrina dos apóstolos para a igreja, encontrada nas epístolas ou cartas, que encontramos o embasamento para aquilo que era praticado em Atos.

Por exemplo, confirmando a passagem acima de Atos 2:41-42 nas epístolas encontraremos o perseverar na doutrina (1 Co 14:26-40), na comunhão (pode ser o caso de Jd 1:12 ou 1 Co 11:21, em ambos os casos apontando distorções), no partir do pão (a ceia do Senhor, 1 Co 11:23-26) e orações (1 Co 14:14-17).

A passagem que se segue àquela obviamente fala dos costumes da vida diária, e neste caso sim o “partir o pão” refere-se à alimentação regular e diária. Aqui poderíamos parafrasear como “tomando café da manhã, almoçando e jantando em casa, comiam juntos…”.

Ats 2:46 E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,

Já em Atos 20:7-11 trata-se da reunião da assembleia para partir o pão, isto é, celebrar a ceia do Senhor.

Ats 20:7-11 E no primeiro dia da semana, ajuntando-se [congregando] os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e prolongou a prática até à meia-noite. E havia muitas luzes no cenáculo onde estavam juntos… E [Paulo] subindo, e partindo o pão, e comendo, ainda lhes falou largamente até à alvorada; e assim partiu.

Em Atos 27:35, no relato do naufrágio, o ato de Paulo partir o pão nada tem a ver com a ceia do Senhor, mas é uma expressão usada para a refeição. Ele está cercado de tripulantes e passageiros incrédulos, portanto tentar atribuir aquilo à ceia do Senhor seria um erro.

Por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, ESTANDO CONGREGANDO DESDE 1981 SOMENTE EM NOME DO SENHOR JESUS.

DISPONÍVEL EM: http://www.respondi.com.br/2013/03/em-lucas-24-o-partir-o-pao-era-ceia-do.html

DO MESMO AUTOR:

Onde queres que a preparemos? Lc 22:7-20
Onde devemos celebrar a Ceia do Senhor? Esta pergunta, feita por muitos, traz à tona a tristeza causada pela ruína do testemunho do Corpo de Cristo, que é a Igreja. Mas antes mesmo da existência da Igreja (por ocasião da última ceia a Igreja ainda não havia sido formada; isto aconteceu somente em Pentecostes – At 2), encontramos esta pergunta sendo feita em Lucas 22, do versículo 7 em diante. Ali encontramos o Senhor ordenando aos Seus discípulos: “Ide, preparai-nos a páscoa, para que a comamos” (v.8). E eles fizeram a mesma pergunta: “Onde queres que a preparemos?” (v.9). Esta é a pergunta de uma alma submissa ao Senhor, que deseja fazer a vontade dEle acima de tudo. Sabemos que essa seria a última ceia do Senhor com Seus discípulos, antes de morrer numa cruz. E foi nessa ocasião que Ele pediu que fizessem isso em memória de Si; repetindo posteriormente o mesmo pedido a Paulo (1 Co 11:23), já no caráter de uma ordenança àqueles que faziam parte da Igreja.

Ao receberem a ordem do Senhor, os discípulos não fizeram o que achavam melhor, e nem se dirigiram ao lugar mais próximo de suas casas, ou aonde se sentissem bem. Tampouco procuraram qualquer lugar que lhes parecesse digno de tal evento, mas, com a simplicidade de uma criança, perguntaram ao Senhor: “Onde queres que a preparemos?” E a resposta do Senhor é muito instrutiva, se a aplicarmos espiritualmente a nós nestes últimos dias.

Primeiramente, no versículo 10 de Lucas 22, o Senhor ordena que entrassem “na cidade” (v.10). O lugar onde devemos lembrar Sua morte enquanto estamos aqui é neste mundo, em meio a toda a confusão criada pelo homem, mas, como veremos adiante, separados dela. Ali eles encontrariam “um homem levando um cântaro d’água” (v.10) e deveriam segui-lo. Não era comum encontrar um homem levando um cântaro d’água, pois esta era uma tarefa típica das mulheres, como encontramos em João 4 e em muitas passagens do Antigo Testamento. … O homem levava um cântaro d’água – esta é um símbolo da Palavra de Deus, conforme encontramos em Efésios 5:26.

O homem com o cântaro os levaria a um “grande cenáculo mobilado” (v.12). O cenáculo, que é o andar superior de uma casa, nos fala de um lugar que, embora neste mundo, encontra-se acima das coisas da Terra; um lugar elevado. O aposento era um “grande cenáculo” – havia espaço suficiente para todos os convidados – e o fato de estar mobilado demonstra que alguém já havia preparado acomodações suficientes para os que ali fossem. E eles, obedecendo às ordens do Senhor, encontram tudo exatamente como lhes foi falado e, “chegada a hora, pôs-Se à mesa, e com Ele os doze apóstolos” (v.14). E, ali, Ele lhes fala da Sua morte (v.15).

Tudo isso é muito instrutivo para nós. Em primeiro lugar, temos que buscar o Senhor quanto ao que devemos fazer e onde devemos fazê-lo. Ele nos mostrará com certeza. Então devemos seguir o homem com o cântaro d’água; uma figura de acompanharmos o Espírito Santo naquilo que Ele leva, ou seja, a Palavra de Deus. Não encontraremos na Palavra coisas do tipo, vá à esta ou àquela denominação, pois não encontramos, na doutrina que foi dada à Igreja, denominações diferentes para aqueles que fazem parte de um mesmo Corpo (Ef 4:4). A única distinção era feita quanto à localização geográfica dos crentes (por exemplo, “da igreja que está em Éfeso” Ap 2:1).

Também não encontramos coisas do tipo vá aonde desejar ou ao lugar onde se sentir melhor, como se os crentes não tivessem qualquer guia seguro e tivessem que seguir sua própria vontade ou sentimentos (veja Dt 12:8,13-14; Jz 21:25). Também não encontramos o conselho que normalmente é dado, vá à igreja mais próxima de sua casa, que neste tempo de fim tem lançado muitos nas garras de verdadeiros mercenários da fé (2 Pd 2). O que não encontramos na Palavra de Deus não devemos fazer. Encontramos em Mateus 18:20 a indicação de que onde estiverem dois ou três reunidos ao Nome do Senhor Jesus (e ao Seu Nome somente) Ele estará no meio, o que equivale dizer que Ele Se porá à mesa com os Seus que ali estiverem.

Portanto é pela Palavra de Deus somente, e não pelos costumes dos homens, ainda que sejam cristãos, que encontramos o lugar onde Deus quer que celebremos a Ceia. Tal lugar está acima das coisas deste mundo (assim como o cenáculo que vimos) e Deus preparou acomodações para todos os que desejarem se dirigir para ali (o cenáculo era grande e estava mobilado). Trata-se do lugar onde o Senhor colocou o Seu Nome, e mais nenhum outro; onde é Ele o centro de todas as atenções e Sua autoridade é reconhecida (veja 1 Co 5:4,12).
http://manjarcelestial.blogspot.com.br/2011/10/onde-queres-que-preparemos-lc-227-20.html

COMUNHÃO

D.M.Lloyd-Jones

Em Atos 2, para que os cristãos se reuniam? Ali estavam essas pessoas que tinham saído do mundo para se juntar ao grupo de pessoas chamado de discípulos, e eles formaram a primeira igreja, mas para que serve a igreja cristã? O que ela faz? O que ela provê? Pessoas Cristãs reúnem-se para reuniões sociais, danças, rifas, shows dramáticos, conferências políticas, literatura, e sociologia? Não havia nada desse tipo na igreja primitiva. Não é meu objetivo denunciar essas coisas. Mas eu quero deixar claro quão distante elas estão da igreja cristã. Você pode conseguir tudo isso no mundo, e você pode consegui-lo com muito mais qualidade. A igreja Cristã faz papel de boba quando tenta fazer essas coisas – ela as faz muito mal. Se você quer atividades assim, então vá e procure consegui-las profissionalmente organizadas. Mas isso não é a igreja de Cristo. Trata-se de uma caricatura.

“EU QUERO APRESENTAR DIANTE DE VOCÊS O RETRATO DA IGREJA DO NOVO TESTAMENTO. ESSA É A ÚNICA IGREJA QUE EU RECONHEÇO.”

Eu não quero defender a cristandade ou defender qualquer seção particular da igreja ou qualquer igreja local em particular. Eu quero apresentar diante de vocês o retrato da igreja do Novo Testamento. Essa é a única igreja que eu reconheço. Aquelas pessoas não vieram para a igreja para fazer coisas como essas. E quando o verdadeiro reavivamento acontece, essas são as primeiras coisas que desaparecem; as pessoas perdem o interesse nelas. Uma igreja que só consegue existir recorrendo a coisas como essas é totalmente diferente da igreja do Novo Testamento.

“E perseveravam na doutrina dos apóstolos [ensino] e na comunhão, no partir do pão e nas orações.” – atividades puramente espirituais. E esse é o padrão para a igreja em qualquer tempo.

Portanto, vamos atentar para isto. Primeiro, a doutrina. O ensino dos apóstolos é posto em primeiro lugar nessa lista – é por isso que nós temos que começar por ali, e é muito importante que assim seja, porque hoje há real oposição ao que nós lemos aqui. A primeira coisa que estes cristãos desejaram era mais ensino por parte dos apóstolos. Eles desejaram isso com o todo o seu ser. Antes de avançarmos sequer mais um passo, façamos as nós mesmos uma pergunta simples: Nós desejamos a “doutrina dos apóstolos”? Deus nos conceda que sim.

“COMO, ENTÃO, PODE-SE NOTAR A DIFERENÇA ENTRE UMA EXPERIÊNCIA QUE É CRISTÃ E UMA QUE NÃO É? HÁ UMA SÓ RESPOSTA, E ESTA É A CAUSA DA EXPERIÊNCIA.”

Este desejo pela “doutrina dos apóstolos” nos diz algo tremendamente importante. Que o Cristianismo não é só uma experiência. Vejam bem, eu tenho enfatizado que é também uma experiência e não somente um ponto de vista intelectual. Quando homens e mulheres tornam-se cristãos, eles sofrem a mudança mais profunda que eles jamais poderiam imaginar; é realmente uma experiência profunda. Mas não é só isso, e eu tenho que enfatizar este ponto porque há outras instituições no mundo que podem dar experiências às pessoas.

Como se pode saber qual é a diferença entre tornar-se um cristão e alguma outra experiência, uma experiência emocional ou uma mudança como o resultado de psicoterapia ou algo do tipo? O ensino produzido pelas seitas pode produzir uma mudança. Adeptos de uma seita falam sobre as suas vidas sendo transformadas. Como, então, pode-se notar a diferença entre uma experiência que é cristã e uma que não é? Há uma só resposta, e esta é a causa da experiência. Cristãos experimentam mudança como resultado de acreditar na verdade sobre Jesus Cristo. Duas pessoas podem dizer, “eu estou muito feliz”. Ambos podem dizer, “eu fazia isso e aquilo, mas não faço mais. Fui liberto de tudo”. Mas isso não quer dizer que ambos são cristãos. Como, então, saberemos qual deles é? O único teste, eu repito, é a fonte da experiência.

“POR ISSO SOMOS OBRIGADOS A ENFATIZAR QUE O ENSINO DEVE VIR PRIMEIRO PORQUE FOI ELE QUE CONDUZIU ÀS CONVERSÕES, À TRANSFORMAÇÃO. FOI A PREGAÇÃO DE PEDRO, O SEU ENSINO, A SUA DOUTRINA, QUE UNIU ESSAS PESSOAS.”

Como vimos, as pessoas em Atos estavam juntas porque elas tinham tido a mesma experiência. Mas o que nos impressiona imediatamente a respeito delas é que elas tinham tido a mesma experiência porque elas tinham acreditado no mesmo ensino, na mesma mensagem.

“Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas”. Nunca teria havido uma igreja primitiva a não ser por este ensino específico. Por isso somos obrigados a enfatizar que o ensino deve vir primeiro porque foi ele que conduziu às conversões, à transformação. Foi a pregação de Pedro, o seu ensino, a sua doutrina, que uniu essas pessoas. Elas “aceitaram a palavra” e “foram batizados”. E somos informados no verso 44 que “todos os que creram estavam juntos”. No que eles creram? No mesmo ensino.

Fonte: Extraído do blog OldTruth.com
A fonte original é o livro Authentic Christianity (Cristianismo Autêntico) – Crossway Books.

Tradução: centurio
DISPONÍVEL EM: http://www.bomcaminho.com/mlj003.htm

MARIO QUINTANA

INFERNO
Neste último domingo (03-02-2013), um conhecido líder pentecostal brasileiro foi entrevistado no programa de Marília Gabriela, e entre os assuntos abordados (homossexualidade, aborto, dízimo, etc.), ele mencionou algo extremamente “pragmático”.

“Nos Evangelhos, Jesus falou mais sobre o inferno do que sobre o Céu. Ele fez isso para mostrar às pessoas como o pecado é terrível, e como elas devem evitar irem para aquele lugar [de eterno tormento]” – disse ele.

Este negócio de acreditar na existência de um inferno eterno de fogo a queimar os “impenitentes” está mesmo arraigado na mente dos professos cristãos de nosso tempo.

Junto com a crença da santidade do domingo, a crença na existência deste lago de fogo eterno (fruto da heresia da imortalidade natural da alma) está no rol das grandes heresias semeadas pelo diabo no Cristianismo. Infelizmente muitos se deixaram enganar! (Gên. 3:4).

Certo domingo, enquanto eu aguardava o programa Pequenas Empresas, Grandes Negócios, passei por um canal onde um outro líder neo-pentecostal (que se auto-intitula de “apóstolo” e fundou sua igreja “mundial” depois de brigar com a liderança de outra igreja “universal”), usava o texto da parábola do Rico e Lázaro para defender que os que rejeitaram a Deus serão atormentados, ETERNAMENTE, no lago de fogo do inferno. Ele dizia: “todo sofrimento que vocês passarem aqui, seja o câncer, a AIDS, uma doença incurável, nada se compara aos tormentos que os perdidos passarão durante toda a eternidade no inferno”. Então, ele citava o exemplo do “rico” da parábola, que pedia um pouco de água ao mendigo que havia chegado ao Céu (clique aqui e entenda a parábola).

As pessoas ouviam aquelas heresias com um ar de medo e apavoramento estampados em suas faces, provavelmente dizendo em seus corações: “Deus me livre de ir para o inferno, sofrer desse jeito para todo o sempre!”.

Assim como este “apóstolo” e o outro pastor entrevista ontem, há muitos pregadores modernos que distorcem a Bíblia e ensinam verdadeiros absurdos doutrinários, maculando o caráter santo de Deus. Eu mesmo recebo muitos e-mails de professos cristãos INDIGNADOS porque eu coloquei aqui no blog um estudo que mostra que o inferno, como eles pregam, não existe (reveja). É uma pena que a Bíblia seja interpretada por estas pessoas sob o ponto de vista da filosofia grega, PAGÃ e, muitas vezes, DIABÓLICA.

Quero ratificar a certeza que tenho de que não haverá este tal lago de fogo e enxofre a arder eternamente (creio que ele existirá, porque a Bíblia assim o diz, mas não posso jamais crer que permanecerá queimando por toda a eternidade). E apresento algumas perguntas que os “infernistas” não têm como responder biblicamente.

1. Se a parábola do rico e Lázaro deve ser entendida literalmente (cf. Luc. 16:20-31), então o inferno e o céu são tão próximos que as pessoas (salvos e perdidos) terão contato entre si durante a eternidade?

2. Como a eternidade seria um local de gozo e paz eternas (cf. 1Cor. 2:9), se continuássemos mantendo este contato macabro com nossos parentes, filhos, pais, amigos, vizinhos, etc., que não se salvarem e que nos procurarem constantemente para lhes “molhar a língua”?

3. Se a palavra “eterno”, referindo-se ao fogo, significa que ele arderá para sempre, como fica a declaração bíblica de que Sodoma e Gomorra foram destruídas pelo “fogo eterno” (cf. Judas 1:7)? Se assim o fosse, não seria para haver um lugar na face da Terra (onde estas cidades estavam situadas) com uma tocha de fogo inextinguível?

4. Se Deus não destruirá de uma vez por todas o pecado, mantendo o diabo e seus seguidores no inferno eterno, então como podemos dizer que a morte foi vencida e “destruída” (cf. 1Cor. 15:26)? Como crer que o diabo foi vencido e destruído, se ele continuará vivo por toda a eternidade? Com esta crença herética do fogo ardendo eternamente, o diabo sairá como o grande vencedor!

5. Se as pessoas que morreram em Cristo já estão no céu (como os que defendem o inferno afirmam), então qual a necessidade da ressurreição (cf. João 5:29)? Por que elas precisariam deixar o céu, voltar para o corpo sepultado, ressuscitar e novamente retornar para o céu? Será que é por causa deste “dilema doutrinário”, impossível de ser resolvido, que não se vê muita pregação sobre a ressurreição nas igrejas cristãs que crêem no estado consciente dos mortos? Pergunte ao seu pastor pentecostal por que ele não prega sobre a ressurreição!

6. Como o Universo entenderia a justiça de Deus, se Ele condenasse um adolescente, por exemplo, a uma eternidade de tormentos infernais, como punição (ou “vingança” como recentemente me escreveu alguém inconformado com minha fé) por 13, 14, 15 ou 16 anos de pecado? Nem mesmo os tribunais humanos, enlameados por denúncias de corrupção, politicagem e outros erros, são tão implacáveis! Quanto mais um Deus que a Bíblia diz que é só amor e justiça (cf. 1Jo 4:7-16)!

7. Se já recebemos a recompensa logo por ocasião da morte, como querem os infernistas, como será que Lázaro, irmão de Marta e Maria, deve ter se sentido depois que Jesus o ressuscitou (cf. João 11)? Segundo a heresia pregada nas igrejas cristãs, ele foi chamado de volta para este mundo de pecado e sujeiras depois de ter experimentado 4 dias de “glória” no Céu. Perceberam o absurdo de se crer no paganismo grego?! Prefiro ficar com a Bíblia!

8. Se a Bíblia é claríssima em dizer que os mortos não sentem, nem sabem nada (cf. Ecles. 9:5-6), como, então, alguém pode defender que os mortos sofrerão atormentados pelos pecados dos quais não se arrependeram? Como harmonizar o que a Bíblia diz nestes versos com o que o tal “apóstolo” ensinou baseado na parábola de Lucas 16? Se os mortos não sabem mais nada, como que o “rico” da parábola estava tão preocupado com seus parentes? Mais uma vez, prefiro ficar com a Bíblia, e crer na morte como um “sono” (cf. Jo 11:11-14), afinal parábola é parábola e não se deve interpretá-la literalmente!

9. O tal “apóstolo” também ensinou que somos imortais, por isso viveremos, no céu ou no inferno, eternamente. Como harmonizar isso com a declaração de que SOMENTE DEUS é naturalmente imortal (cf. 1Tim. 6:16)? Como harmonizar esta declaração herética do cristianismo moderno, com a afirmação bíblica de que quem peca “morre” (cf. Ezeq. 18:4 e 20)?

10. Se a Bíblia sempre usa expressões do tipo: “consumirá”, “extinguirá”, etc., para se referir a este fogo eterno, como posso crer que as pessoas continuarão “vivas” para sempre? (cf. Malaq. 4:1). Se a Bíblia diz claramente que não restará “nem raiz nem ramos”, como eu posso crer que o fogo continuará ardendo? Afinal, é a “chama” do fogo que é eterna, ou suas “consequências” é que o são?

Por enquanto é só…
FONTE: GILSON MEDEIROS EM http://prgilsonmedeiros.blogspot.com.br/2009/07/cuidado-com-o-fogo-do-inferno.html
ENVIADO POR ALISSON HENRIQUE