- Ao Deus Único - https://aodeusunico.com.br -

CONCÍLIO ANUAL CONSIDERA DOCUMENTO DE AUTORIDADE QUE DEMONIZA MUITAS ENTIDADES DA IGREJA

Annual Council Considers Authority Document That Demonizes Many Church Entities

Annual Council Considers Authority Document That Demonizes Many Church Entities

29 September 2016 | Jared Wright

Fonte: http://spectrummagazine.org/article/2016/09/29/annual-council-considers-authority-document-demonizes-many-church-entities

 

General Conference Secretariat circulated the document and a shorter companion summary document to Executive Committee members, who will be asked to approve the document at the Committee’s second meeting since the 2015 General Conference Session in San Antonio Texas. During that session, delegates voted down a motion to allow divisions to make provision to ordain women in their territories. Since then a spate of diverse practices on credentialing pastors, particularly women, has drawn the concern of the General Conference’s top leaders. The two documents are a response.

The longer document may be summarized by twenty key assertions made within the text:

  1. The General Conference of Seventh-day Adventists is God’s highest authority on earth.
  2. Christ has given the Church “plenary power,” and when it is the expression of the entire Church rather than an individual, there is no justification for resisting the authority of the whole body of believers.
  3. Unity is one of the most important doctrines of the Seventh-day Adventist Church, ultimately achieved through deference to the body with the highest organizational authority, the General Conference.
  4. Seventh-day Adventists are united by their commitment to Christ, common biblical beliefs, shared mission, joint weekly study of the Sabbath School Bible Study Guide, interdependent worldwide organizational structure, and mutually agreed practices and policies
  5. The General Conference Working Policy is the Church’s vehicle for promoting unity and mission (ever more so since the 2015 ordination vote at General Conference Session).
  6. Statements or other actions approved by a GC Session or the GC Executive Committee are considered an expression of Church policy.
  7. The GC Executive Committee has delegated to unions responsibility for selecting candidates for ordination, based on the criteria set by the world Church.
  8. The world Church (i.e. the General Conference) has set ordination criteria since 1879.
  9. Diversity of practice can be allowed, but only after a representative body has agreed to allow some variation.
  10. Organizational units and church-member representatives have input into the decisions of organizations at higher levels of structure. However, having had input, reciprocity means that there must be acceptance of the collective decision.
  11. Strict adherence to Policy is required of “all organizations in every part of the world field.”
  12. No world field may depart from decisions taken by units at higher levels of structure with wider authority. The status of local fields “is not self-generated, automatic, or perpetual,” but “is granted to a constituency as a trust.”
  13. Unilateral action on important matters is contrary to the biblical model and to longstanding Adventist practice. Further, it is a satanic distraction.
  14. Ordination is qualitatively different than commissioning or credentialing.
  15. The ordination of women has been explicitly disallowed by a GC Session action, a decision reinforced by two other GC Session votes.
  16. Ministerial credentials are temporary; ordination is permanent (except in cases of discipline).
  17. Recent moves to exclusively license (commission) pastors are contrary to policies voted both by the GC Executive Committee and by GC Sessions.
  18. Because ordination is the Church’s recognition of a divine calling, it cannot be given up on individual impulse.
  19. Ordained pastors cannot be turned, retrospectively, into commissioned pastors or licensed pastors, and if they qualify for a ministerial credential, then they must receive it, rather than another credential or license. GC Working Policy excludes any other possibility.
  20. GC Working Policy can be amended, and its provisions can be waived in certain circumstances, but either requires consultation and consensus.

The document contains 88 references to biblical passages. Of those references, there are twelve unabridged, direct quotes of Scripture verses. Several more references excerpt small portions of biblical texts. Most instances are parenthetical references to books, chapters, and verses without textual material supplied. Of the 88 scriptural references, there are no full passages in their biblical contexts.

Ellen G. White receives 189 references by name in the document. Of the paper’s 187 endnotes, 118 cite or pertain to the writings of Ellen White. Extended quotations from her writings permeate the document.

When one considers the specific language employed to make the assertions the document makes, one gets the sense that submission to authority is viewed as paramount. Those entities running afoul of the document’s ideal are also characterized as influenced by evil. Below, some of the document’s terms (and cognates in some cases) are listed by frequency of occurrence:

Policy – 127
General Conference – 122
Authority – 109
Christ – 108
Executive Committee – 78
Private judgment vs. corporate judgment – 54
Mission of the Church – 30
Gospel – 29 (16 instances of policy concerning “gospel ministry”; 7 references to book or article titles; 1 reference to “everlasting gospel”)
Unilateral – 27
Govern (and governing power) – 21
Surrender – 14
Submission – 14
Satan – 12
Require (including “require adherence”) – 10
Binding – 6
Obliged – 6
Mandate – 5
Compliance – 4
Obey – 2
Defer – 2
Evil forces – 2
Yield – 1

The document has drawn many reactions, among them, strong condemnation for its literal demonization of many church entities. Page 33 of the document delves deep into statements from Ellen White on what she saw as evil forces and extrapolates to those church entities that have ordained women: “Ellen White makes it plain,” the document states, “that unilateralism can arise not just from independent-mindedness, but sometimes from the influence of evil forces.”

The document pointedly and repeatedly refers to Californian Adventists in the 1870s and 1880s who demonstrated independent-mindedness and suggests that they were influenced by satanic powers. (In August 2012, the Pacific Union Conference based in California voted to authorize the ordination of women despite an in-person appeal from General Conference President Ted N. C. Wilson not to do so.)

Speaking of the Adventists in 19th century California, the document cites Ellen White’s admonition:

She warns that “those who . . . do not labor to have harmony of purpose and action are verily doing the work of Satan, not the work of God” and continues in similar vein: “It is a delusion of the enemy for anyone to feel that he can disconnect from the body and work on an independent scale of his own and think he is doing God’s work.

The thinly-veiled accusation that those organizational units that have ordained women are under satanic influence elicited criticism from one contemporary California pastor.

“It is never appropriate to suggest someone who behaves or thinks differently than yourself is under satanic influence,” wrote Trevan Osborn, an associate pastor at the Azure Hills Church in California.

Osborn called the language “toxic, manipulative, coercive, and horrifying on every level.”

He called for wholesale rejection of vilifying language. “[Let’s] wholly embrace one another as God’s children just trying to do what we think is right,” he said.

For some, the document called to mind the presidential campaign in the United States. Writing in a Facebook group created to support the ordination of women in Adventism, Cherry Ashlock wrote,

GC says: We are following the will of God to purge and protect the church. What I hear: [To borrow language from a current great mind and rising global political star], ‘Believe us! We are the only ones who can save the church and make it great again. It’s a beautiful thing’!”

Among some who approved of the document, the question was what next steps the church would take. Richard P. Mendoza, a pastor in the Michigan Conference, wrote in response to the document’s publication on the Adventist Review’s website,

We just need to impliment the process and call the disenters (sic) into account and give them the choice of copplying (sic) with the WILL of the Body express in General Conference Session 2015 or dissfellowship (sic) or dissolve those members or churches, replace church leaders who will not comply and be supportive of the World Chuch’s decision.”

The 2016 Annual Council, October 8-15 at the General Conference Headquarters in Silver Spring, Maryland, will put the document before the GC Executive Committee for approval, including language that accuses many Adventists of being swayed by Satan.

 

Jared Wright is Managing Editor of SpectrumMagazine.org.

If you respond to this article, please:

Make sure your comments are germane to the topic; be concise in your reply; demonstrate respect for people and ideas whether you agree or disagree with them; and limit yourself to one comment per article, unless the author of the article directly engages you in further conversation. Comments that meet these criteria are welcome on the Spectrum Website. Comments that fail to meet these criteria will be removed.

 

TRADUÇÃO LIVRE DO GOOGLE SEM AJUSTES:

Concílio Anual Considera Documento de autoridade que demoniza muitas entidades da Igreja

29 de setembro de 2016 | Jared Wright

Imprimir Email Tweet FB ShareThis

Alimentado por Tradutor

 

Escritório da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia (GC) do Secretário lançou um documento abrangente sobre o governo da igreja e autoridade antes do Concílio Anual da Comissão Executiva do GC de 2017. O documento de 50 páginas, “Um Estudo de Governança Igreja e unidade”, foi preparado pelos diretores da Associação Geral com pesquisa e escrita do Gabinete do Conferência Geral de Arquivos, Estatística e Pesquisa.

O documento combina trechos de material bíblico, trechos dos escritos de Ellen White, e as contas da história adventista do sétimo dia. Sua intenção declarada é a de “informar e orientar a igreja sobre as políticas relativas ao ordenamento e credenciamento de pastores adventistas do sétimo dia.” O documento tem atraído fortes críticas por sua demonização literal de vários territórios da igreja mundial.

Secretariado da Conferência Geral circulou o documento e um documento de síntese companheiro mais curto para membros da Comissão Executiva, que serão convidados a aprovar o documento na segunda reunião do Comité desde 2015 Sessão da Conferência Geral em San Antonio Texas. Durante essa sessão, os delegados votaram uma moção para permitir divisões prever a ordenar mulheres em seus territórios. Desde então, uma série de práticas diversas no credenciamento pastores, particularmente as mulheres, tem atraído a preocupação dos principais líderes da Conferência Geral. Os dois documentos são uma resposta.

O documento já pode ser resumido por vinte afirmações principais feitas no texto:

A Conferência Geral da adventistas do sétimo dia é mais alta autoridade de Deus na terra.

Cristo deu à Igreja “poder plenária”, e quando ela é a expressão de toda a Igreja, em vez de um indivíduo, não há justificação para resistir a autoridade de todo o corpo de crentes.

A unidade é uma das doutrinas mais importantes da Igreja Adventista do Sétimo Dia, em última análise, conseguido através de deferência para com o corpo com a mais alta autoridade organizacional, a Conferência Geral.

Adventistas do sétimo dia estão unidos por seu compromisso com Cristo, crenças bíblicas comuns, missão compartilhada, de estudo semanal conjunta do Guia de Estudo Bíblico da Escola Sabatina, estrutura organizacional em todo o mundo interdependente e mutuamente práticas e políticas acordadas

A Política de Trabalho da Conferência Geral é o veículo da Igreja para a promoção da unidade e missão (cada vez mais assim desde 2015 votos coordenação a Sessão da Conferência Geral).

As declarações ou outras acções aprovadas por uma Sessão GC ou o Comité Executivo da GC são consideradas uma expressão da política da Igreja.

O Comitê Executivo GC delegou aos sindicatos responsabilidade de selecionar candidatos à ordenação, com base nos critérios estabelecidos pela Igreja mundo.

O mundo Church (isto é, a Conferência Geral) estabeleceu critérios de ordenação desde 1879.

Diversidade de prática pode ser permitido, mas só depois de um órgão representativo concordou em permitir alguma variação.

unidades organizacionais e representantes da igreja-membro tem entrada para as decisões de organizações em níveis mais elevados de estrutura. No entanto, ter tido de entrada, a reciprocidade significa que deve haver aceitação da decisão coletiva.

O cumprimento rigoroso de Política é exigido de “todas as organizações em todas as partes do campo mundo.”

No campo mundial pode afastar-se as decisões tomadas pelas unidades em níveis mais elevados de estrutura com autoridade mais ampla. O status de campos locais “não é auto-gerado, automático ou perpétua”, mas “é concedido a um eleitorado como uma relação de confiança.”

ação unilateral sobre assuntos importantes é contrário ao modelo bíblico e à prática Adventista de longa data. Além disso, é uma distração satânico.

A ordenação é qualitativamente diferente do comissionamento ou credenciamento.

A ordenação de mulheres tenha sido explicitamente proibido por uma ação de GC Session, uma decisão reforçada por duas outras votações Sessão GC.

credenciais ministeriais são temporários; ordenação é permanente (exceto em casos de disciplina).

movimentos recentes para licenciar exclusivamente (Comissão) pastores são contrários às políticas votaram tanto pelo Comitê Executivo da GC e por GC Sessions.

Porque a ordenação é o reconhecimento da Igreja de um chamado divino, ele não pode ser abandonada por impulso individual.

pastores ordenados não pode ser ligado, retrospectivamente, em pastores encomendados ou pastores licenciados, e se eles se qualificar para uma credencial ministerial, então eles devem recebê-la, em vez de outra credencial ou licença. GC Política de Trabalho exclui qualquer outra possibilidade.

GC Política de Trabalho pode ser alterado, e as suas disposições pode ser dispensada, em certas circunstâncias, mas de qualquer requer consulta e consenso.

O documento contém 88 referências a passagens bíblicas. Dessas referências, há doze integrais citações, diretas de versículos bíblicos. Várias outras referências excerpt pequenas porções de textos bíblicos. A maioria dos casos são referências entre parênteses para livros, capítulos e versículos sem material textual fornecido. Dos 88 referências bíblicas, não há passagens completas em seus contextos bíblicos.

Ellen G. White recebe 189 referências pelo nome no documento. De 187 notas do estudo, 118 citar ou criar pertencem aos escritos de Ellen White. cotações prorrogado a partir de seus escritos permeiam o documento.

Quando se considera a linguagem específica, usada para fazer as afirmações do documento faz, tem-se a sensação de que a submissão à autoridade é vista como primordial. Aquelas entidades que executam o conflito com o ideal do documento também são caracterizados como influenciado pelo mal. Abaixo, alguns dos termos do documento (e cognatos em alguns casos) são listadas por frequência de ocorrência:

Política – 127

Conferência Geral – 122

Autoridade – 109

Cristo – 108

Comité Executivo – 78

julgamento privado vs. julgamento corporativo – 54

Missão da Igreja – 30

Gospel – 29 (16 casos da política em matéria de “ministério do evangelho”; 7 referências Para reservar ou títulos de artigos; 1 referência a “evangelho eterno”)

Unilateral – 27

Governam (e poder governante) – 21

Surrender – 14

Apresentação – 14

Satan – 12

Exigem (incluindo “exigem a adesão”) – 10

Encadernação – 6

Obrigado – 6

Mandato – 5

Compliance – 4

Obedeça – 2

Adiar – 2

forças do mal – 2

Rendimento – 1

O documento tem atraído muitas reações, entre elas, forte condenação pela sua demonização literal de muitas entidades da igreja. A página 33 do documento investiga profundamente em declarações de Ellen White sobre o que viu como forças do mal e extrapola a essas entidades da igreja que têm ordenados mulheres: “Ellen White deixa claro”, afirma o documento, “que o unilateralismo pode surgir não só a partir de independente de espírito, mas às vezes a partir da influência das forças do mal. ”

O documento intencionalmente e repetidamente se refere a californiana adventistas na década de 1870 e 1880 que demonstraram independente de espírito e sugere que eles foram influenciados por poderes satânicos. (Em agosto de 2012, a União do Pacífico com sede na Califórnia votou para autorizar a ordenação de mulheres, apesar de um apelo em pessoa do presidente da Associação Geral Ted N. C. Wilson não fazê-lo.)

Falando dos adventistas no século 19 na Califórnia, o documento cita a advertência de Ellen White:

Ela avisa que “os que. . . não trabalham para ter harmonia de propósito e ação são, na verdade, fazendo a obra de Satanás, e não a obra de Deus “e continua na mesma linha:” É uma ilusão do inimigo para que todos possam sentir que ele pode desconectar-se do corpo e trabalhar em uma escala independente de sua própria e acho que ele está fazendo a obra de Deus.

A acusação velada de que essas unidades organizacionais que têm ordenados mulheres estão sob influência satânica suscitou críticas por parte de um pastor contemporânea da Califórnia.

“Nunca é apropriado para sugerir alguém que se comporta ou pensa de forma diferente do que você mesmo está sob influência satânica”, escreveu Trevan Osborn, um pastor associado da Igreja Hills Azure na Califórnia.

Osborn chamado a linguagem “tóxico, manipuladora, coercitivo, e horripilante em todos os níveis.”

Ele ligou para a rejeição de atacado de difamar idioma. “[Vamos] inteiramente abraçar uns aos outros como filhos de Deus apenas tentando fazer o que achamos que é certo”, disse ele.

Para alguns, o documento chamado a atenção para a campanha presidencial nos Estados Unidos. Escrita em um grupo no Facebook criado para apoiar a ordenação de mulheres no adventismo, Cereja Ashlock escreveu,

GC diz: Estamos seguindo a vontade de Deus para limpar e proteger a igreja. O que eu ouço: [Para emprestar linguagem a partir de uma grande mente atual e estrela em ascensão política global], ‘Acreditar em nós! Nós somos os únicos que podem salvar a Igreja e torná-lo grande novamente. É uma coisa bonita! ‘ ”

Entre alguns que aprovou o documento, a questão era o que os próximos passos a igreja iria tomar. Richard P. Mendoza, um pastor na Associação de Michigan, escreveu em resposta a publicação do documento no site da Adventist Review,

Nós apenas precisamos de impliment o processo e chamar os disenters (sic) em conta e dar-lhes a escolha de copplying (sic) com a vontade do Corpo Express em Sessão da Conferência Geral de 2015 ou dissfellowship (sic) ou dissolver os membros ou igrejas, substituir líderes da igreja que não vai cumprir e ser solidário da decisão do Chuch World “.

O Conselho 2016 Anual, 08-15 outubro, na sede da Conferência Geral em Silver Spring, Maryland, vai colocar o documento antes de o Comitê Executivo da GC para aprovação, incluindo a linguagem que acusa muitos adventistas de ser seduzidos por Satanás.

Jared Wright é Diretor Editorial da SpectrumMagazine.org.

Se você responder a este artigo, por favor:

Certifique-se de seus comentários são pertinentes ao tema; ser conciso na sua resposta; demonstrar respeito pelas pessoas e ideias se você concorda ou discorda com eles; e limitar-se a um comentário por artigo, a menos que o autor do artigo engaja-lo diretamente em mais conversa. Comentários que atendem a esses critérios são bem-vindos no site Spectrum. Comentários que não cumpram estes critérios serão removidos