- Ao Deus Único - http://aodeusunico.com.br -

SEGUINDO A CRISTO, NÃO AO SISTEMA RELIGIOSO

sistema religioso

“E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”, palavras libertadoras de Cristo, o filho único do Deus único e verdadeiro, o Pai, em João 8:32.

Apoc. 18:4: Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela povo meu, para não serdes cúmplices dos seus pecados e para não participardes dos seus flagelos.

Alguém escreveu que o Ecumenismo será obrigatório.

Vimos que o Ecumenismo é um processo que objetiva unir as igrejas, embora as levando de volta ao paganismo, tendo referências fortes nos Concílios de Nicéia e de Constantinopla, realizados em 325 e em 381 dC. As organizações religiosas, que se transformaram em verdadeiras empresas ou supermercados de uma fé destituída do poder do Espírito santo de Deus, pouco a pouco vão se unindo ao sistema romano, porquanto absorvendo seus dogmas travestidos de doutrinas, deixando a verdade para trás.

Temos mostrado que o crente está liberto das amarras do dízimo, embora devendo ser um fiel mordomo do Deus único e verdadeiro, nunca a um deus falso de 3 caras proveniente do paganismo, ofertando liberalmente para cumprir os propósitos sociais e eternos do Deus único e de seu divino Filho Jesus Cristo.

Em Apoc. 18:4 lemos sobre o desejo de Deus para seu povo: Sai dela povo meu para que não sejais cúmplices dos seus pecados. O povo sincero de Deus é convidado a sair da babel moderna, o sistema religioso falso embasado na trindade pagã, no batismo trinitariano, na idolatria, na santificação do domingo, na imortalidade da alma – vida imediatamente após a morte e não após a ressurreição por ocasião da volta de Cristo como está na Bíblia sagrada, no ecumenismo, e toda sorte de desvios da fé.

Nesta manhã lhe convido a corajosamente tomar a sua decisão ao lado de Cristo e daqueles que verdadeiramente o servem em espírito e em verdade, ainda que chamados de hereges ou de membros de seitas. Lembre-se que nos dias de Cristo, os discípulos eram considerados como parte de uma seita dos nazarenos.