- Ao Deus Único - http://aodeusunico.com.br -

Por que Jesus morreu? Oito razões. Conheça-as, Reflita, Posicione-se.

Sean Finnegan apresenta oito razões bíblicas “Por que Jesus morreu”: 1) Jesus morreu para prover a vida eterna, 2) para nos reconciliar com Deus, 3) para expressar amor, 4) derrotar o mal e 5) dar um exemplo, 6) para nos justificar à parte da Lei, 6) para nos libertar do pecado 7) para viver em retidão e 8) por nossos pecados.

“Está nas músicas, nos carros, em volta de pescoços. A cruz de Cristo domina o simbolismo, a teologia e os sermões cristãos. No entanto, muitas vezes entendemos mal a expiação – como a morte de Cristo nos torna corretos com Deus.

“O que a Bíblia diz sobre a morte de Jesus?”

  1. Jesus morreu para nos dar vida eterna 

A morte de Jesus não apenas lida com o passado e o presente, mas também com o futuro, abrindo o caminho para o reino de Deus. No cântico do Cordeiro em Apocalipse, vemos claramente como a morte de Jesus se relaciona com a vida eterna:

Apocalipse 5.9: E eles cantaram uma nova canção, dizendo: “Digno é você de pegar o pergaminho e abrir seus selos, pois você foi morto, e com o seu sangue você resgatou pessoas de Deus de todas as tribos e idiomas para Deus e povo e nação.”

O cordeiro usa seu sangue para comprar pessoas de todos os tipos. O objetivo de comprá-los é transformá-los em um reino, reinando sobre a terra (o que cremos, mil anos após a breve volta de Jesus). Em outros textos, sabemos que o próprio reino é eterno e que o povo de Deus o possuirá para sempre (cf. Dan 7,18, 27; Mat 25,34, 46; Lucas 18,29-30; Rev 2,26-27; 22,5; etc.).

       2. Jesus morreu para nos reconciliar com Deus 

Por causa de nossa desobediência aos mandamentos de Deus, nos alienamos de Deus.  Nós, como Paulo disse, éramos “alienados e hostis em mente, praticando más ações” (Col 1,21) ou, como ele diz em outros lugares, “todos nós vivíamos nas paixões de nossa carne, realizando os desejos do corpo e mente, e éramos por natureza filhos da ira, como o resto da humanidade ”(Ef 2.3). Para os gentios, a situação era ainda mais grave, pois estávamos “alienados da comunidade de Israel e estrangeiros aos convênios da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo” (Ef 2.11-12). Como gentios, não tínhamos acesso a Deus.

A morte de Cristo repara nosso relacionamento quebrado com Deus.

Jesus sofreu para que “ele pudesse nos levar a Deus” (1 Pedro 3.18). Como resultado, podemos ter “confiança para entrar nos lugares santos pelo sangue de Jesus” (Hb 10.19).  Esses muros hostis e divisores caíram na morte de Cristo, possibilitando que judeus e gentios “tivessem acesso em um espírito ao Pai” (Ef 2,18)”.

Que possamos entender o altíssimo valor do sacrifício de Jesus e permitir que ele habite em nós por seu Espírito, recebido de Deus, o pai. E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. João 8:32. Amém, Aleluias.

3a razão

Sean Finnegan (restitutio.org), escreveu 3ª razão: “Jesus morreu para expressar amor. Em João 3.16, lemos: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu único filho”. Assim, ao dar seu único filho (ou único filho gerado), Deus expressa seu amor a todo o mundo. Este é um ato supremo de amor caro. Imagino que Deus, se pudesse, teria morrido por nossos pecados, mas, ele é imortal, logo, é incapaz de experimentar a morte. O que é mais angustiante, doloroso, do que desistir do único filho vê-lo ser atormentado e morrer? Não consigo pensar em nada mais difícil. Não posso imaginar o quão torturante deve ter sido para o todo-poderoso assistir impotente, enquanto seu amado filho, em quem estava satisfeito, sofria zombaria, humilhação pública, dor lancinante e, finalmente, a própria morte. Um ser capaz de aniquilar todo mundo no Gólgota tão facilmente quanto golpeamos uma mosca, tinha que sentar em suas mãos e assistir. É difícil compreender essa agonia, mas ele a suportou de bom grado, por mais cansativo que fosse, por causa de seu amor por todos aqueles que se beneficiariam dela. Desde esse ato inigualável está demonstrado o quanto Deus ama o mundo.

Naquele momento, Jesus não era um garotinho ingênuo nem um peão que desconhecia o cenário geral quando realizou os desejos de seu Pai; ele era um homem adulto que entendia o raciocínio por trás do ato e se voluntariava livremente para a missão. Assim, sua morte não apenas indica como “Deus mostra seu amor por nós, enquanto ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós” (Rm 5,8), mas também indica como o próprio Cristo corajosamente “nos amou e nos libertou de nossos pecados”. pecados pelo seu sangue ”(Ap 1.5). Tal amor nos inspira, atraindo-nos a um salvador e a um Deus.

4ª. Razão: Jesus morreu para derrotar o mal Pela morte, Jesus tornou impotente aquele que tinha o poder da morte (Hb 2,14). Embora possa parecer a todos os presentes em sua crucificação que Jesus estava em exibição como um espetáculo, de fato, seu sofrimento desarmou os governantes e as autoridades, exibindo-os publicamente (Col 2.15). Através do sangue de Cristo na cruz, foi um grande prazer do Pai reconciliar todas as coisas consigo mesmo na terra e no céu (Col 1.19-20). Mais do que simplesmente derrotar demônios para seu próprio benefício, a morte de Cristo libertou e capacitou todos os que o antigo regime havia enlaçado e subjugado.

Não somos mais presos no domínio das trevas, mas Deus “nos transferiu para o reino de Seu amado Filho, no qual temos a redenção, o perdão dos pecados” (Col 1.13-14). Não precisamos mais dançar ao ritmo do diabo, como fizemos antes (Ef 2.1-3). Cristo nos libertou não apenas da própria morte, mas também do medo da morte (Hb 2,14). Ao sofrer os efeitos do veneno da serpente, ele ofendeu o diabo, deixando-o impotente para morder seus seguidores. Jesus veio para “destruir as obras do diabo” (1 João 3: 8), libertando seu povo do mal. Agora assumimos a mesma missão que Jesus tinha de abrir os olhos das pessoas, para que pudessem mudar das trevas para a luz e do domínio de Satanás para o de Deus (Atos 26:18). Satanás é derrotado! Cristo é vitorioso! Nós somos livres!

5ª. razão: Jesus morreu para dar um exemplo.

Sean Finnegan (restitutio.org) escreveu que: “A morte heróica de Cristo tanto nos inspira quanto nos ensina. Por exemplo, o famoso Carmen Christi aponta para a humilde morte de Cristo na cruz como o pré-requisito para sua exaltação e também um exemplo de destaque para os seguidores de Cristo que viviam em Filipos: Filipenses 2.4-10 4Que ninguém procure somente os seus próprios interesses, mas também os dos outros. 5Tenham entre vocês o mesmo modo de pensar que Cristo Jesus tinha: 6Ele tinha a natureza de Deus, mas não tentou ficar igual a Deus. 7Pelo contrário, ele abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim igual aos seres humanos. E, vivendo a vida comum de um ser humano, 8ele foi humilde e obedeceu a Deus até a morte  e morte de cruz. 9Por isso Deus deu a Jesus a mais alta honra e pôs nele o nome que é o mais importante de todos os nomes, 10para que, em homenagem ao nome de Jesus, todas as criaturas no céu, na terra e no mundo dos mortos, caiam de joelhos 11e declarem abertamente que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus, o Pai. Assim, a provação de Jesus serve não apenas como algo para beneficiar aqueles que acreditam nele, mas também como um exemplo de como devemos colocar os interesses dos outros à frente dos nossos. Devemos “andar no amor, como Cristo nos amou e se entregou por nós” (Ef 5.2). Que modelo mais adequado existe do que alguém que voluntariamente dá a vida pelo bem dos outros? Da mesma forma, Hebreus encara a cruz como um padrão prático para seguirmos em nosso esforço de “correr com perseverança a corrida que está diante de nós” (Hb 12.1-2). Deveríamos “considerar aquele que suportou dos pecadores tanta hostilidade contra si mesmo” para não desistir ou desanimar (Hb 12.3). Afinal, o que quer que passemos, é provável que não seja tão ruim quanto o que ele suportava. Assim, Pedro usa o sofrimento de Cristo como um paradigma para os escravos maltratados:

1 Pedro 2.18-23 18 Servos, se  sujeitem aos seus senhores com todo respeito, não apenas aos bons e gentis, mas também aos injustos. 19 Pois isso é gracioso, quando, consciente de Deus, alguém sofre dores enquanto sofre injustamente. 20 Para que crédito é que, se você peca e é derrotado por isso, você persevera? Mas se, quando você faz o bem e sofre por isso, persevera, isso é algo gracioso aos olhos de Deus. 21 Para isso você foi chamado, porque Cristo também sofreu por você, deixando-lhe um exemplo, para que você possa seguir os seus passos. 22 Ele não cometeu pecado, nem foi encontrado engano em sua boca. 23 Quando ele foi insultado, ele não insultou em troca; quando sofreu, não ameaçou, mas continuou confiando-se àquele que julga com justiça.

O modo de sofrer de Jesus ensina seus seguidores a lidar com a injustiça e a aflição. Em vez de responder em espécie, devemos confiar-nos a Deus que julga com justiça. Não apenas isso, mas nossa imitatio Christi pode até estender nossa vida por nossos irmãos e irmãs (1 João 3.16; 4.10-11). De fato, Paulo desejava compartilhar os sofrimentos de Jesus, para que ele o conhecesse melhor (Fp 3.9).

Por que Jesus morreu_6ª. razão

Jesus morreu para nos libertar do pecado para viver em retidão 

Sean Finnegan (restitutio.org), escreveu que precisamos ter um entendimento equilibrado da expiação de Cristo. “Cristo simplesmente nos aceita como somos, ou ele nos transforma de rebeldes em santos?

O batismo une maravilhosamente tanto a nossa morte aos nossos velhos hábitos quanto a nossa ressurreição, para andar na novidade da vida (Rm 6.1-6). Não permanecemos no túmulo, ainda escravizados pelo cruel mestre pecado. Em vez disso, emergimos emancipados, prontos para obedecer à justiça. “Como nós, que morremos para pecar, ainda vivemos nele?” (Rom 6.2).  Romanos 6.6-23 6 Sabemos que nosso antigo eu foi crucificado com ele para que o corpo do pecado não fosse levado a nada, para que não fôssemos mais escravizados ao pecado. 7 Pois quem morreu foi libertado do pecado … 11 Portanto, você também deve considerar-se morto para pecar e vivo para Deus em Cristo Jesus. … 17 Mas graças a Deus, que vocês que antes eram escravos do pecado tornaram-se obedientes do coração ao padrão de ensino com o qual estavam comprometidos, 22 Mas agora que vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos de Deus, o fruto que obtém leva à santificação e ao seu fim, à vida eterna. 23 Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Assim, a morte de Cristo não apenas cobre o pecado, mas o mata – ou, antes, mata-nos, …tornando-nos escravos, em vez disso (o pecado), da justiça e de Deus. O fruto dessa mentalidade é a justiça e a vida eterna. Embora a lei não pudesse nos libertar do pecado, Deus encontrou uma maneira de contorná-la “enviando seu próprio filho à semelhança da carne pecaminosa e pelo pecado, ele condenou o pecado na carne, para que os requisitos justos da lei pudessem ser cumpridos em nós”. (Rom 8.3-4). Ele não paga apenas pelo pecado em nosso favor, mas sua morte nos permite cumprir a lei caminhando de acordo com o espírito. “Ele mesmo carregou nossos pecados em seu corpo no madeiro, para que pudéssemos morrer para o pecar e viver para a justiça” (1 Pedro 2.24).  Pois se “continuarmos a pecar deliberadamente depois de receber o conhecimento da verdade, não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma terrível expectativa de julgamento e uma fúria de fogo que consumirá os adversários.” (Hb 10.26-27) .

Embora o sangue de cabras e touros e as cinzas de uma novilha possam purificar a carne, o sangue de Cristo é capaz de “purificar nossa consciência de obras mortas para servir ao Deus vivo” (Hb 9.13-14). Enquanto os sacerdotes continuam oferecendo os sacrifícios diários, que nunca podem tirar os pecados, Cristo ofereceu um sacrifício de uma vez por todas, o qual “aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados” (Hb 10.10-14).

 

Fonte: https://restitutio.org/2016/04/17/why-did-jesus-die-paper-for-2016-theological-conference/