- Ao Deus Único - http://aodeusunico.com.br -

O DEUS DE AMOR DO ANTIGO TESTAMENTO É O MESMO DO NOVO TESTAMENTO

Temos um altar, de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo”. Porque os corpos dos animais, cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o santuário, são queimados fora do arraial. E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta. Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura. Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque com tais sacrifícios Deus se agrada. Hebreus 13:10-16.

No AT Deus estabeleceu o dízimo, sempre em alimentos do campo, manufatura de suas mãos, para sustentar o Sacerdócio levítico que cuidava dos serviços de Deus e não receberam herança em Canaã como as demais onze tribos de Israel. Mas o amor de Deus também se manifestava não exigindo nunca das viúvas, dos órfãos e dos estrangeiros o pagamento de dízimo, pelo contrário, a cada 3 anos essas pessoas humildes recebiam o dízimo do 3º. Ano e comiam o mesmo para saciar as suas necessidades, Deut. 14:28 e 29. Isso é amor de Deus prático que nada tem a ver com os dízimos que hoje são coletados nas igrejas, pior ainda quando se sabe que desde a cruz de Cristo as leis cerimoniais e o Dízimo foram extintos, acabaram.

Em todo o NT (após a cruz, evidentemente, pois não há testamento sem a morte do testador. Crsito ao derramar seu sangue na cruz, assinou o Novo Testamento, o novo Concerto ou Pacto com seu povo. Até à cruz, vivia-se sob o Velho Testamento, o Velho pacto) não há um só verso mostrando a primitiva Igreja de Cristo praticando o DÍZIMO, senão, e voluntária e generosamente as OFERTAS para o sustento da obra, sobretudo para manter os desamparados (E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.
E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.
E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum.
E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.
E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,
Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.
Atos 2:42-47)

Em comentário Bíblico de Moody, p. 62, sobre Hebreus 13:10-17,  lemos que “Não temos nenhum sacrifício a fazer; em Cristo já foi feito um sacrifício por nós; por isso possuímos um altar.  As ordenanças do V.T. (referindo-se às leis cerimoniais), conforme aqui descritas já não têm mais valor. Quando Cristo sofreu a morte fora do arraial sobre a cruz, uma das coisas realizadas foi o descartar-se dos costumes levíticos. Agora eles são supérfluos. A identificação do crente é com Cristo fora do arraial. … Para esses cristãos hebreus, esse era o vitupério que tinham de levar.

Tendo Cristo morrido como oferta pelos pecados, os crentes deviam demonstrar, por meio de Jesus, uma conduta adequada aos redimidos (vs. 14-17). 1) Deviam fixar sua esperança não nas ordenanças do V.T., mas na cidade celestial e na perspectiva celestial; 2) deviam louvar e agradecer a Deus, uma vez que o fruto dos lábios devia ser o transbordamento de um coração cheio; 3) deviam mostrar benevolência de todo o tipo, pois Deus não se esquece disto; e 4) deviam ser obedientes e submissos. Agradar a Deus poderia finalmente ser reduzido a três práticas ou atitudes fundamentais, todas mencionadas nesta passagem – louvor, obediência e submissão.

Que o Eterno e seu divino Filho o abençoem, a abençoem e nos firmemos na verdade Bíblica, nunca mais no sistema religioso caído, corrompido que cobra dízimo e em dinheiro, até de órfãos e viúvas.

OUÇA O ÁUDIO LEVADO AO AR PELA RÁDIO JUAZEIRO EM 17.8.2015 PARA O PLANETA