- Ao Deus Único - http://aodeusunico.com.br -

As 3 Fases da Tentação de Jesus e a Derrota do Diabo

Clique AQUI ou na imagem acima e ouça a palestra e as músicas. Medite, Compartilhe.

“A tentação de jesus é uma das narrações mais empolgantes das escrituras. Ali vemos o grande duelo entre o bem e o mal. Um reflexo da guerra diária que ocorre com cada um de nós.

No nosso caso, colecionamos tropeço após tropeço e muitos de nós passam a acreditar que estamos destinados ao fracasso. Mas ao observar a tentação de Jesus, nossa perspectiva muda.

Por isso, eu lhe convido a ler este estudo bíblico até o final e ver quão rico é este episódio bíblico e o quanto ele pode acrescentar a nossa vida de intimidade com Deus.

Mateus 4, Marcos 1 e Lucas 4

A tentação de Jesus é narrada por três dos quatro evangelhos, tendo em Mateus 4 e Lucas 4, maiores detalhes do fato. A descrição de Marcos 1.12,13 é curta e objetiva. Isto porque o autor se limita a registrar o acontecimento, mas não dá detalhes de como a tentação de Jesus aconteceu. Exatamente o oposto de Mateus 4 e Lucas 4.

Nestes trechos bíblicos, os autores apresentam com riquezas de detalhes esse importante evento da vida de Jesus.

As Três Tentações do Diabo

Quando analisamos a tentação de Jesus, percebemos que o Diabo o testou nas principais áreas da existência humana. Isto é:

  1. Necessidades básicas;
  2. Identidade e propósito;
  3. Ganancia e poder.

Isso aconteceu de maneira gradativa. Ao ler o texto bíblico imaginamos que tudo aconteceu rapidamente, em questão de minutos. Mas é muito provável que o processo tenha demorado vários dias.

Podemos ter uma ideia de como aconteceu, ao analisar as tentações em nossas próprias vidas. Perceba que ao ser tentado dificilmente caímos no primeiro convite. O pecado é concebido, após um período de insistência.

Começamos a dar ouvidos ao Diabo e acabamos cedendo.

O Senhor Jesus ao contrário de nós, não tinha a opção de falhar. Isso acontece porque como Cordeiro de Deus, Ele deveria oferecer a sua vida como um sacrifício perfeito, tal como a Lei exigia.

A menor falha, colocaria todo o projeto de Redenção por terra, e o Diabo sabia. Além disso, há o propósito de nos ensinar a vencer a tentação por meio da Palavra de Deus e da consagração (Hebreus 4:15).

Continue lendo e veja como o Senhor Jesus enfrentou a situação.

A Tentação de Jesus e a Direção de Deus

Uma das características mais marcantes da tentação de Jesus é o fato de que ela começou com a direção de Deus (Mateus 4:1). Isso mesmo!

Não que Deus seja o mentor da tentação, seu propósito era derrotar o Diabo na humanidade de Jesus.

A palavra tentado, neste contexto no original grego, é peirazo e significa: tentar, fazer uma experiência com, teste: com o propósito de apurar sua quantidade, ou o que ele pensa, ou como ele se comportará, pôr a prova seus sentimentos ou julgamentos com astúcia.

Ou seja, o Espírito Santo conduziu, levou, Jesus propositadamente ao deserto com o objetivo claro e definido de permitir que ele fosse tentado pelo Diabo e mostrar para seres espirituais e humanos de todos os tempos, como se comportou o Filho de Deus nas mesmas condições do ser humano.

A Importância do Jejum

Depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. (Mateus 4:2)

A vida de intimidade com Deus, não pode estar desassociada da santificação. Jesus vivia dirigido pelo Espírito Santo. Sabia ouvir sua voz e era sensível a sua instrução, por mais difícil que ela fosse.

Diante de tamanha dificuldade, sua atitude foi a consagração por meio do jejum e da oração (Mateus 4:2).

A palavra jejum no original grego é nesteuo e significa: abster-se de comida e bebida como exercício religioso: inteiramente, se o jejum é de apenas um dia, ou por costume e opção alimentar, se por vários dias.

Ou seja, o jejum envolve abstenção.

Há uma discussão teológica sobre o jejum de Jesus. A dúvida é se foi um jejum completo ou parcial. Isto é, se durante quarenta dias, Jesus não comeu e não bebeu, ou se Jesus só não comeu.

Isso acontece, porque no relato da tentação – tanto Lucas, quanto Mateus dizem que Jesus teve fome, não menciona que ele teve sede.

De acordo com estudos científicos só conseguimos sobreviver sem água cerca de 3 a 5 dias (Fonte: Superinteressante).

Ou seja, para viver quarenta dias sem água, Jesus precisaria de intervenção divina, e o seu propósito era vencer a tentação nas mesmas condições que o mais simples dos seres humanos.

Portanto, é realmente possível que ele tenha feito abstinência de comida, apenas.

Fase Um: Pedras em Pães

O Diabo já lida com o ser humano há milhares de anos. Isso o torna um especialista no assunto. Por mais que ele não seja onisciente, pela experiência, sabe exatamente qual o nosso comportamento, fraquezas, limitações e instinto.

Como excelente adversário, ele estuda as fraquezas de seus oponentes. Porém, ao analisar a vida de Jesus, seus registros lhe mostraram que Ele jamais havia pecado.

Além disso, ele já acompanhava o Senhor, desde seu nascimento, quando tentou matá-lo pelas mãos de Herodes em Belém.

Satanás tinha informações suficientes para saber que Jesus era o Messias. Ele sabia que seria um confronto duríssimo com um adversário incomum. Por isso, ele foi diretamente nos prontos mais vulneráveis do ser humano.

O primeiro deles foi o instinto de sobrevivência (Mateus 4:3).

Queremos Viver…

Não sei você, mais um dos meus programas favoritos são aqueles de sobrevivência. Cito por exemplo o programa A Prova de Tudo, onde Edward Michael Grylls (Bear Grylls) era exposto aos perigos da selva e o que ele fazia para sobreviver em meio as dificuldades e privações.

É intrínseco a nossa humanidade o instinto de sobrevivência, daí ele comia aranhas, cobras, morcegos, bebia sua própria urina, fazia jangadas com poucos recursos, escalava, enfim.

Bear Grylls, nos mostra como sobreviver em situações extremas e o deserto é, para este experiente aventureiro um dos ambientes mais hostis e difíceis para se viver.

O Diabo sabia disso, e percebendo que Jesus estava debilitado pelo severo jejum, ele diz: “Se você é o Filho de Deus, mande que estas pedras se transformem em pães”. (Mateus 4:3)

Talvez você se pergunte, porque comer seria um problema?

Provavelmente Satanás queria tirar o foco de Jesus da tentação. Seu grande objetivo era tirar da alma do Mestre o objetivo de permanecer fiel a Deus.

Além disso, há uma grande provocação implícita: “Se você é o Filho de Deus…”. O Diabo provoca Jesus por meio de sua filiação. Ele quer que o Senhor caia na cilada.

Porém, não funciona!

Jesus responde que o alimento físico não é a nossa única fonte de energia para a sobrevivência, mas também a Palavra que sai da boca de Deus (Mateus 4:4).

Isso provavelmente mexeu com o adversário. O motivo é: na resposta de Jesus está explicito seu amor a Deus e como ele prioriza o Reino.

Ao apresentar outra fonte de vida, além do natural, Jesus mostra ao Diabo que seu argumento não funcionará e nos mostra qual deve ser a nossa perspectiva com relação a sobrevivência e a vida.

Outro ponto fundamental é perceber qual será o fundamento da defesa e ataque de Jesus à tentação: A Palavra de Deus.

Ao responder “está escrito”, Jesus mostra a Satanás que está alicerçado nas santas Escrituras e que argumentos do pecado não o atrairão.

Deve nos chamar a atenção a submissão de Jesus a vontade de Deus. Ele nos ensina que uma vida de submissão a Deus, está sujeita as determinações de Deus, apenas.

Fase Dois: “Jogue-se Daqui Para Baixo”

De acordo com pesquisas recentes, entre o ano de 2000 e 2016, o número de suicídios no Brasil, cresceu 73% (Fonte: Notícias R7). Algo que foi tendência em todo o mundo ao longo dos últimos 20 anos.

O Diabo tem trabalhado incessantemente para destruir as almas dos homens, e precisamos estar atentos para não ceder e ser vítimas de suas artimanhas.

A próxima proposta que ele apresenta ao Filho de Deus é com relação a sua identidade e propósito. Por isso diz: “Se você é o Filho de Deus, jogue-se daqui para baixo” (Mateus 4:5,6).

Perceba que o jogo do tentador é para colocar o ser humano no centro. Você está com fome? Coma!

Você tem promessas de Deus? Desfrute-as.

Jesus percebendo sua intenção, responde que não devemos colocar Deus à prova, como também está dito na Palavra (Mateus 4:7).

Com esta resposta, o Senhor Jesus nos ensina que o poder pertence a Deus, e não a nós. Não devemos pôr o Senhor a prova, isto é, não devemos ficar “testando” seu poder.

O que isso significa?

Se eu subir em um prédio e deliberadamente me jogar, com o objetivo de que Deus não me deixará morrer, apenas para “testar” as promessas da Palavra de Deus, eu vou morrer.

As promessas e os milagres, não se manifestam sem propósito. Não estamos num circo. Isto não é um show. Deus não está brincando de nos entreter.

Quando realmente precisarmos de sua intervenção e de seus milagres, isto é, quando houver uma necessidade real. Ele estará lá.

Fase Três: Tudo Será Seu!

A penúltima proposta de Satanás na tentação de Jesus é com relação a ganância e poder humano, influência. Percebendo que Jesus não se submeteria a teste sobrenaturais, o adversário muda a estratégia. E oferece poder e riqueza (Mateus 4:8,9).

Ao longo dos milhares de anos, o Diabo viu esta estratégia funcionar com os mais ilustres. Ele próprio havia deixado a proposta mais tentadora para o final com o objetivo bem claro: Derrotar Jesus.

Mas a resposta do Mestre abalou o inferno, a história e o futuro da humanidade. Jesus lhe disse: “Retire-se, Satanás! Pois está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto’”. (Mateus 4:10)

Os Valores do Filho de Deus

O Diabo oferece riqueza, poder e influência a Jesus, em troca de adoração. Uma vida submissa aos prazeres do pecado e sem compromisso com Deus.

A negativa de Jesus é um exemplo para nós. Não devemos vender nossa alma. Riqueza, poder e influência a qualquer custo, não é a vontade de Deus.

Se observarmos o estilo de vida do Filho de Deus, podemos perceber que ele cultivou um viver simples e dedicado ao trabalho honesto e a Deus.

Não precisamos de muito para viver. Devemos rogar a Deus que nos dê o necessário. Evitar as dívidas, o consumo desenfreado e a ostentação (1 Timóteo 6:6-8).

Se o Senhor nos der muito mais do que precisamos, devemos pedir que nos conceda sabedoria para administrar no investimento do seu Reino e na ajuda ao próximo.

“Retire-se, Satanás!”

Na parte final da tentação de Jesus, vemos uma ordem explicita do Senhor para que o tentador lhe deixe em paz. E é ouvido (Mateus 4:10,11).

Obviamente que a ordem de Jesus foi acatada porque Ele estava cheio do Espírito Santo e porque ele estava completamente decidido a não pecar contra Deus.

Ao contrário de nós, Jesus não flertou com o Diabo, nem com o pecado. Nós, na maioria das vezes gostamos, temos prazer tanto na tentação como no pecado.

Jesus não!

Foi enfático em suas respostas. Sempre declarando “está escrito”, o Senhor nos mostra que a nossa força está na Palavra de Deus.

Jesus Foi Tentado Novamente?

Como diz o texto de Lucas “o diabo o deixou até ocasião oportuna” (Lucas 4:13,14), então sim Jesus voltou a ser tentado pelo Diabo. O escritor aos Hebreus diz que Jesus como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado”. (Hebreus 4:15)

Ou seja, além das tentações registradas por Mateus, Marcos e Lucas, o Mestre sofreu com muitas outras, mas não pecou em nenhuma delas.

A tentação de Jesus é ao longo dos séculos objeto de várias discussões teológicas. A grande pergunta feita em torno do assunto é: Jesus poderia pecar? Se pecasse o que aconteceria?

As respostas a essas perguntas dividem opiniões.

Particularmente eu acredito, que Jesus poderia pecar. Ele estava tão vulnerável quanto eu e você. Não acredito que ele tenha utilizado durante a tentação, algo que cada um de nós não possa.

Cheio do Espírito Santo, através de uma vida dedicada a Palavra de Deus e a oração, Ele nos mostra que podemos vencer o Diabo e suas artimanhas. Fomos comprados pelo seu sangue e não somos mais escravos do pecado.

Conclusão

A tentação de Jesus foi um momento épico na história da humanidade. Chamado de segundo Adão, o Filho de Deus ao ser submetido as fragilidades da humanidade, não cometeu o mesmo erro do “pai de todos”.

Jesus se manteve firme a Deus e ao seu propósito de salvar a humanidade e oferecer sua vida com redenção pelo nosso pecado

O Diabo lhe tentou nos pontos mais vulneráveis da humanidade: necessidade básica, Identidade e propósito, poder e ganância. E a todas elas, Jesus resistiu.

Ou seja, a tentação de Jesus é para nós um grande exemplo de como podemos vencer Satanás e o pecado.

Por fim, eu gostaria de saber o que você achou do estudo. Deixe seu comentário. Como você enxerga o assunto? Compartilhe sua voz com o mundo.

Deus abençoe”!

Diego Nascimento